Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Pilotos da Ferrari admitem surpresa com rendimento em Monza

Raikkonen e Vettel largam na segunda e terceira posição 

Estadão Conteúdo

05 de setembro de 2015 | 14h56

O bom rendimento da Ferrari em "casa", no GP da Itália de Fórmula 1, surpreendeu até mesmo os pilotos e o presidente da escuderia. O finlandês Kimi Raikkonen e o alemão Sebastian Vettel desbancaram a Mercedes do também alemão Nico Rosberg neste sábado, em Monza, e buscaram o segundo e o terceiro lugar no grid. Ficaram atrás somente do inglês Lewis Hamilton.

"Ficamos um pouco surpresos", reconheceu Raikkonen, que não largava da primeira fila desde o GP da China de 2013. "Já faz um tempo que não saía dessa posição. É muito bom voltar a fazer isso, principalmente quando corremos em casa. Geralmente estamos mais confiante para a corrida do que para o treino, então espero que aconteça a mesma coisa amanhã."

Para Vettel, as boas posições no grid confirmam a evolução da Ferrari ao longo da temporada. "Não é nenhum segredo que não estamos ainda onde gostaríamos. Mas acho que hoje deu um passo à frente. E isso é importante não apenas para as pessoas que vão nos assistir nas arquibancadas, mas também para aqueles que trabalham na garagem."

O alemão se refere à pequena diferença dos pilotos da Ferrari para a Mercedes de Hamilton. Raikkonen ficou a apenas 0s234 do pole position e Vettel, a 0s288. "É um resultado fantástico: vamos largar em segundo e terceiro. Estamos muito perto de Lewis, o que é o mais importante. Isso nos deixa ainda mais confiantes para domingo."

Até o presidente da Ferrari, Sergio Marchionne, reconheceu o crescimento da equipe na temporada 2015. "Esse foi um enorme passo à frente", afirmou, satisfeito principalmente com o rendimento de Raikkonen, que vinha sendo muito contestado neste ano. "Espero que Kimi relaxe agora, uma vez que está com o contrato renovado. Ele é um grande piloto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.