Mazen Mahdi/AFP
Mazen Mahdi/AFP

Pilotos da Fórmula 1 revelam ter tomado vacina contra covid-19 oferecida por governo do Bahrein

Alguns competidores aceitaram receber algumas doses antes do início dos testes da pré-temporada, mesmo com a recusa da categoria

Redação, Estadão Conteúdo

12 de março de 2021 | 12h23

Apesar da recusa da Fórmula 1 em aceitar a vacina do governo do Bahrein, pilotos e integrantes das equipes aceitaram doses contra a covid-19 nos últimos dias. O mexicano Sergio Pérez, da Red Bull, e o espanhol Carlos Sainz Jr., da Ferrari, foram alguns deles, segundo admitiram nesta sexta-feira.

"A vacina foi oferecida para nós e eu tomei a decisão de aceitar. Para mim, quando voltar ao México, não sei quando terei a oportunidade de tomá-la", disse Pérez, um dos pilotos infectados pelo novo coronavírus durante a temporada passada. "Considerei uma grande oportunidade e obviamente sou grato ao governo do Bahrein por oferecer a vacina para tantas pessoas que viajam pelo mundo", disse Sainz Jr.

Oficialmente, a F-1 rejeitou a oferta do governo do Bahrein por considerar que poderia afetar negativamente a imagem da categoria aceitar doses que poderiam ser fornecidas a pessoas de grupos de risco e outras prioridades. A F-1 indicou que as equipes deveriam ser a mesma orientação.

Porém, integrantes de equipes como Red Bull, Ferrari e Aston Martin tomaram a vacina nos últimos dias, antes do início dos testes da pré-temporada, na cidade de Sakhir. O Bahrein recebe os testes entre esta sexta-feira e domingo. No dia 28, sediará a primeira corrida da temporada 2021.

As doses oferecidas pelo governo local foram produzidas pela Pfizer/BioNTech. Dias antes, o chefe da Alfa Romeo, Frederic Vasseur, testou positivo para a covid-19 e não viajou para o Bahrein. Antes dele, seis pilotos foram infectados, nos últimos meses. Além de Pérez, já testaram positivo Lando Norris, Lewis Hamilton, Charles Leclerc, Pierre Gasly e Lance Stroll.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.