Bernadett Szabo/Reuters
Bernadett Szabo/Reuters

Pilotos da Mercedes projetam reação após vacilo no GP da Hungria

Hamilton e Rosberg ficaram fora do pódio na última etapa da F-1

Estadão Conteúdo

18 Agosto 2015 | 09h41

Liderança e segundo lugar no Mundial de Pilotos da Fórmula 1 e primeira colocação disparada no Mundial de Construtores. Com tal domínio na temporada, a Mercedes ainda lamenta o "vacilo" no GP da Hungria, quando ficou fora do pódio, na última etapa antes do recesso de verão na Europa. Lewis Hamilton e Nico Rosberg projetam reação já no GP da Bélgica, no fim de semana.

"Foi bom ter uma folga, um tempo para descansar, treinar e recarregar as baterias. Mas é claro que há sempre aquela chama no fundo da mente que te dá vontade de voltar para as pistas, principalmente depois de uma corrida como a da Hungria", afirma o inglês, apenas o sexto colocado no traçado húngaro. "A Hungria foi uma grande decepção e estou ansioso para voltar a correr", reforça Rosberg.

A dupla está confiante em um bom retorno ao campeonato devido às características do Circuito de Spa-Francorchamps, que favorecem o potente motor da Mercedes. "É uma grande pista para retomar o Mundial. Tem curvas de alta velocidade, você não tira o pé do acelerador. É divertido. Adoro este circuito", diz Hamilton, líder isolado do campeonato, com 21 pontos de vantagem sobre o companheiro alemão.

Tentando reduzir esta diferença, Rosberg promete aproveitar cada oportunidade nesta segunda metade do campeonato. "Quando você está numa disputa tão apertada pelo título, você não pode perder chances", diz, ainda lamentando o oitavo lugar na Hungria. "Agora a meta será não desperdiçar oportunidades. Temos ainda metade do campeonato pela frente, ainda há muito pela frente."

Atual campeão, Hamilton exibe 202 pontos e segue como favorito a buscar o tricampeonato. Rosberg, com 181, tenta tirar a diferença para o inglês, enquanto se preocupa com o recente crescimento do alemão Sebastian Vettel, terceiro colocado, com 160 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.