Pilotos e ex-pilotos festejam o retorno de Schumacher

A confirmação do retorno de Michael Schumacher à Fórmula 1, depois de a Mercedes GP oficializá-lo, nesta quarta-feira, como piloto titular da equipe na temporada de 2010, foi recebida com muita alegria por pilotos e ex-pilotos da maior categoria do automobilismo mundial.

AE, Agência Estado

23 de dezembro de 2009 | 19h04

Um misto de satisfação por poder correr ao lado do heptacampeão mundial e admiração por ter o prazer de acompanhá-lo novamente na Fórmula 1 norteou as opiniões da nova e da velha geração da categoria.

"É uma notícia sensacional. Michael correu em um nível que não existe hoje em dia. É por isso que tenho certeza de que ele estará à frente desde o início", afirmou o austríaco Niki Lauda, campeão mundial de Fórmula 1 em 1975, 1974 e 1984. "A habilidade de pilotar que Schumacher tem é algo que não se perde tão rapidamente", lembrou.

Outro ex-piloto da F-1, o inglês Damon Hill, campeão mundial em 1996, disse que o fato de Schumacher estar com 40 anos de idade pouco o atrapalhará na tentativa do alemão de voltar a triunfar na categoria. "Se eu venci uma corrida aos 37 anos na Jordan, claro que ele pode ganhar uma prova com Ross Brawn aos 41 anos", ressaltou.

Rubens Barrichello, que tem 37 anos e se tornou o recordista de provas disputadas na Fórmula 1, também defendeu a classe dos mais experientes ao comentar o retorno de Schumacher, seu ex-companheiro de equipe na Ferrari. Rubinho lembrou que foi escolhido para fazer parte da Brawn GP, equipe campeã mundial de construtores e de pilotos (com Jenson Button) da temporada 2009. "A experiência hoje é o que mais conta na F-1. Contou comigo ano passado e agora com o Schumacher na Mercedes", disse o brasileiro.

O jovem inglês Lewis Hamilton, campeão mundial de F-1 em 2007, afirmou que o retorno de Schumacher irá propiciar a realização de um sonho que tinha como piloto. "Costumava vê-lo correr quando estava na GP2 e sempre esperei estar na F-1 com ele em atividade. Michael é uma lenda, um cara legal", disse Hamilton, que reforçou: "Acho que ele (Schumacher) está convencido de que ainda tem a mesma temida forma de pilotar".

Já Bruno Senna, que fará a sua estreia na Fórmula 1 na temporada de 2010, pilotando pela equipe Campos, festejou o retorno de um campeão que, no início da sua carreira, tinha Ayrton Senna, tio do piloto brasileiro, como seu grande ídolo. O tricampeão mundial morreu em 1994, ano em que Schumacher conquistou o seu primeiro título na F-1.

"A volta do Schumacher será demais. Sempre quis ter a oportunidade de correr contra ele", disse Bruno Senna, lembrando que a volta do experiente piloto às pistas fará a audiência da categoria aumentar de forma considerável. "Ele precisará readquirir o ritmo de corrida, o que talvez seja o mais importante. O público nos autódromos aumentará", opinou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.