Pilotos mantêm forma para não sofrer

Ginastas são baixas. Fundistas, magros e resistentes. Velocistas têm músculos que dão "explosão". Piloto de Fórmula 1 é baixo e magro. Imaginou um gordinho entrando num cockpit? Impossível. O preparador físico de Rubens Barrichello, da Ferrari, e Luciano Burti, da Jaguar, Vanderlei Pareira, explica que, para não comprometer o desempenho, os pilotos, que em média têm 1,70 metro, precisam pesar cerca de 70 quilos - de capacete e macacão - e ter no máximo 11% de gordura no corpo. "Quem é pesado não consegue ser tão competitivo; às vezes, nem entra no cockpit.""Minha família é de gordinhos e tenho uma preocupação maior em manter a forma", diz Burti, que vence a tendência para engordar com muita malhação e controle alimentar. Nada de fritura e sanduíche. Às vezes, doce e carne vermelha. São três horas por dia de musculação, corrida e remo para ficar nos 70 kg. Ele não se importa com tanto exercício. "É melhor do que passar mal no cockpit."O preparador físico Nick Harris, responsável pelos pilotos da Jaguar, explica que na F-1 também é preciso fortalecer a musculatura do pescoço. A aceleração e a desaceleração a que os pilotos são submetidos nas curvas são os fatores de maior desgaste nas corridas.Burti faz um trabalho reforçado no pescoço. "Fico atrás dele, puxando uma toalha que ele amarra na testa", diz Harris. "Isso é necessário em circuitos como Interlagos e Ímola, de sentido anti-horário. É estranho, mas faz parte da preparação física."É difícil imaginar que Tarso Marques, com 1,77 m e 72 kg, possa emagrecer. Em dezembro, com 81 kg, já estava longe de parecer gordo. Hoje, as roupas "sobram". Para ter mais conforto no cockpit da Minardi, quer perder mais 4 kg, de preferência até domingo. O problema é que Tarso só tem 5% de gordura no corpo e está praticamente no limite. Sem muito o que queimar, a solução é pouco convencional. "Tenho de perder peso em músculos."Já diminuiu os exercícios com pesos. A prioridade é o trabalho aeróbico. Tarso corre de 10 a 12 km por dia e faz duas horas de musculação com carga reduzida e muitas repetições, "para manter a forma e não ganhar peso". Na alimentação, frutas, verduras, cereais e carnes brancas grelhadas. Doces e massas são iguarias que Tarso não vê há tempos. "Vou fazer de tudo para melhorar meu desempenho. E quanto mais leve, melhor." Segundo ele, cada 10 quilos a mais no peso de um piloto significam 3 décimos de segundo a mais por volta. Há coisas que Tarso não pode mudar, como a altura, mas o pior são os pés, nº 45. "A equipe vai modificar as pedaleiras para aumentar o conforto."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.