Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Pilotos reclamam bastante do circuito GP de Cingapura

'Tem hora que pulava tanto no carro que não conseguia ver a pista', explicou Felipe Massa

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2008 | 09h41

O cenário é maravilhoso, os organizadores do GP de Cingapura não pouparam esforços para atender às exigências de uma corrida à noite, mas nesta sexta, depois das duas primeiras sessões de treinos livres houve muita reclamação. Da própria iluminação, "insuficiente" em alguns pontos e, principalmente, do asfalto. "Tem hora que pulava tanto no carro que não conseguia ver a pista", explicou Felipe Massa, da Ferrari, segundo no primeiro treino e terceiro no segundo. Neste sábado será disputada a sessão que definirá o grid. Os pilotos esperam que com as modificações no circuito solicitadas ao diretor de prova, Charlie Whiting, depois de mais de uma hora de reunião.Veja também:Alonso surpreende e lidera segundo treino em CingapuraHamilton: 'Uma volta em Cingapura equivale a duas em Mônaco'Ninguém saiu atirando para todo lado depois da primeira experiência noturna na Fórmula 1. Até elogiaram a iniciativa. "Estamos nos divertindo também", falou Fernando Alonso, da Renault, o mais veloz na segunda sessão. "Só que na reta que antecede a curva 10, as ondulações são tantas que em todas as trajetórias que tentei, por dentro, no meio, por fora, precisava me agarrar com força ao volante para me manter no cockpit", explicou, rindo, o campeão do mundo de 2005 e 2006.Jarno Trulli, um dos líderes da associação dos pilotos (GPDA), era dos mais irritados. "Nunca vi um piso tão ruim." Ele chegou a ser multado em 10 mil euros por ter andado na contramão e cruzar a linha branca de entrada nos boxes. "A entrada e a saída dos boxes são perigosas. Pedimos alterações já para amanhã", explicou. Rubens Barrichello, da Honda, 16º e 18º, comentou sobre a iluminação: "Andando a pé é ótima, mas de dentro do carro há pontos, como o da curva 5, em que é escuro". Rubinho tinha um ferimento na altura da cintura causado pelos movimentos do corpo dentro do carro. "É impressionante o que mexo, não dá para pilotar."Alonso da mesma forma comentou que, "a 300 km/h, compreendi que algumas partes deveriam ser mais bem iluminadas". Mr. Basong, o maior investidor do evento, ao lado do governo local, ouviu as reclamações, a maioria realizada em tom construtivo, e defendeu-se: "Esta experiência é um protótipo. Todos estão aprendendo". Garantiu disponibilizar os recursos necessários para amenizar as várias dificuldades enfrentadas ontem. Bernie Ecclestone, o promotor da Fórmula 1, estava sempre acompanhado de Mr. Basong, empresário da área hoteleira.No primeiro treino à noite o líder do Mundial, Lewis Hamilton, da McLaren, estabeleceu o melhor tempo, 1min45s518, seguido bem de perto por Massa, 1min45s598. E no segundo, Alonso registrou 1min45s654. Hamilton foi 98 milésimos mais lento e Massa, 139 milésimos.Hamilton e Massa disputam o título da temporada e ambos manifestaram a mesma dificuldade com os pneus macios, os que deverão dar maior velocidade. "Não estamos ainda tirando o máximo deles, precisamos trabalhar melhor o carro", falou Massa. Hamilton também obteve sua melhor marca com pneus duros. Nelsinho Piquet, da Renault, foi nono e 12º.A TV Globo transmite o treino classificatório deste sábado a partir das 11 horas (22 horas de Cingapura).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.