Andreas Solaro/AFP
Andreas Solaro/AFP

Pirelli define pneus e aposta em mais macios no GP da Rússia de F-1

Prova no circuito de Sochi está marcada para 11 de outubro

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2015 | 13h58

Fornecedora de pneus da Fórmula 1, a Pirelli anunciou nesta quarta-feira os tipos de compostos que serão utilizados na três próximas provas da temporada e só apresentou uma novidade em relação ao campeonato do ano passado, no GP da Rússia, com a opção pelos pneus supermacios.

A corrida russa fez a sua estreia no calendário no ano passado, sendo realizado no circuito de Sochi, quando a Pirelli optou por compostos macios e médios, que agora foram trocados pelos supermacios.

"Como lá o asfalto é bem liso, e não mudou significamente desde o GP anterior, foi possível optar pelos pneus macios e supermacios, em vez dos médios e macios", explicou a Pirelli, sobre a prova marcada para 11 de outubro.

Antes do GP da Rússia, serão disputadas outras duas corridas. A primeira delas vai ser o GP de Cingapura, em 20 de setembro, para os quais as equipes terão à disposição os pneus supermacios e macios.

"Estes compostos são perfeitamente adequados para as características do circuito de rua da pista de Marina Bay, proporcionando um rápido aquecimento e a aderência mecânica máxima necessária", disse a Pirelli.

Na prova seguinte, o GP do Japão, marcado para 27 de setembro, a fornecedora de pneus levará os compostos médios e duros. "Estas escolhas atendem as demandas de aceleração e frenagem, e de curvas rápidas de Suzuka, que exigem muito dos pneus. Diferentemente do que ocorreu em 2014, quando o GP do Japão foi realizado no início da temporada, neste a expectativa é de que o clima esteja um pouco mais quente", comentou.

Os pneus estiveram envolvidos em polêmicas recentes na atual temporada da Fórmula 1, especialmente após o GP da Bélgica, quando o alemão Sebastian Vettel perdeu um provável pódio pelo estouro de um dos compostos, e na última prova, o GP da Itália, quando a vitória do inglês Lewis Hamilton foi colocada em xeque por suposta violação da pressão mínima dos pneus - o atual campeão mundial acabou não sendo punido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.