Pirelli: 'É cedo para saber causas de pneus estourados'

Envolta em outras polêmicas ocorridas durante esta temporada, a Pirelli voltou a se tornar alvo de descontentamento dos pilotos e equipes da Fórmula 1, neste domingo, no GP da Inglaterra, em Silverstone, palco da oitava do Mundial deste ano. Desta vez, os compostos da fornecedora única da categoria deixaram vários competidores na mão, sendo que Lewis Hamilton, da Mercedes, Felipe Massa, da Ferrari, e Jean-Eric Vergne, da Toro Rosso, tiveram o mesmo pneu traseiro esquerdo estourado já na parte inicial da corrida.

AE, Agência Estado

30 de junho de 2013 | 16h16

Sergio Pérez, da McLaren, foi outro piloto prejudicado por falha do pneu e acabou abandonado a corrida, assim como ocorreu com Vergne. E o grande número de ocorrências durante a prova fez a Pirelli admitir que abrirá uma investigação para apurar as razões do problema anormal de seus pneus, projetando um esclarecimento rápido da situação visando a disputa do GP da Alemanha, no próximo domingo, em Nurburgring.

Entretanto, a empresa italiana disse que é muito cedo para apontar a causa dos problemas recorrentes com pneus durante o GP da Inglaterra. "Houve obviamente algumas falhas com pneus traseiros esquerdo que não tivemos antes", admitiu Paul Hembery, diretor esportivo da Pirelli, que depois acrescentou: "Estamos tratando muito seriamente essa situação e estamos investigando todos os pneus para determinar a causa o mais rápido possível, antes do próximo GP, na Alemanha".

O dirigente da Pirelli ainda garantiu que o novo processo de colagem do pneu, que foi introduzido pela fornecedora a partir desta corrida em Silverstone, não foi a causa para as falhas exibidas pelos compostos neste domingo.

"Pode haver alguns aspectos deste circuito que impactaram especificamente sobre a versão mais recente dos nossos pneus de 2013, mas neste momento não quero especular e agora iremos reunir todas evidências para descobrir o que aconteceu e, em seguida, dar os próximos passos apropriados que deverão ser necessários", completou.

No último dia 21, após julgamento realizado pelo tribunal da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), a Pirelli e a Mercedes foram apenas repreendidas pela entidade depois de a equipe alemã ter realizado testes privados de pneus entre os dias 15 e 17 de maio, no circuito de Barcelona. A escuderia e a empresa foram julgadas após protestos apresentados por Ferrari e Red Bull, que souberam da realização dos testes apenas no dia do último GP de Mônaco, vencido por Nico Rosberg, justamente da Mercedes.

Antes desta polêmica, a Pirelli foi alvo do descontentamento dos pilotos por causa do desgaste excessivo dos seus compostos durante outras provas desta temporada da Fórmula 1, fato que vinha provocando um número exagerado de pit stops.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da InglaterraPirelli

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.