Pizzonia evita comentar sua demissão

Antonio Pizzonia desembarcou terça-feira à noite em Manaus, passou o dia de hoje numa ilha próxima da cidade e permanecerá no País até seu empresário, Jaime Brito, concluir com o advogado inglês que os está assessorando a melhor estratégia de defesa de seus direitos. Na segunda-feira, a direção da equipe Jaguar o dispensou, restando ainda cinco etapas para o encerramento da temporada de Fórmula 1."Antonio está bastante chateado com tudo o que aconteceu, mas na sua próxima oportunidade na Fórmula 1 estará bem mais maduro", disse nesta quarta-feira o pai do piloto, Reginaldo Pizzonia.Qualquer declaração de Antonio Pizzonia poderá servir de defesa para a Jaguar na eventualidade de o caso ir parar na Justiça inglesa. Por isso, enquanto o empresário ainda tenta encontrar um lugar para ele na Fórmula 1, até como piloto de testes - a Williams é a primeira da lista -, a orientação é manter-se recluso.Frank Williams e Patrick Head não pretendiam liberar o piloto brasileiro para correr na Jaguar, já que ele tinha contrato com a Williams, mas diante da oportunidade de competir, Pizzonia solicitou aos dois chefes da Williams a permissão. Agora existe a possibilidade de voltar a trabalhar com Marc Gene como piloto de teste do time inglês, apesar de a escuderia ter já outro brasileiro sob contrato, Ricardo Sperafico, piloto da Fórmula 3000.

Agencia Estado,

23 de julho de 2003 | 19h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.