Pizzonia não se sente pressionado

No autódromo de Interlagos, hoje, a maior movimentação foi nos boxes da Ferrari, Williams e McLaren. Dos pilotos, apenas Felipe Massa, piloto de testes da Ferrari, e Antonio Pizzonia, piloto da Jaguar, apareceram no autódromo. Massa passou rápido durante a manhã, e Pizzonia ficou boa parte da tarde conversando com a equipe. À tarde, o clima por todos os lados era de discontração. Enquanto mecânicos trabalhavam com ajustes nos carros e organização de equipamentos, sempre brincando com os companheiros das escuderias, Pizzonia circulava pelos paddocks com um largo sorriso. O piloto havia conseguido tempo para ficar com a namorada, a saltadora Maurren Maggi, que apareceu na última corrida, na Malásia, para prestigiar o ´Jungle Boy´, e hoje apenas deixou o namorado para treinar no Ibirapuera. "É muito gostoso ter alguém como ela por perto.A gente se gosta mas não consegue se ver muito, principalmente porque viajo muito. Ela pode me ver, mas eu não consigo tempo para ir a um treino dela", disse o piloto. "Sei que a maioria das provas dela este ano serão na Europa, então creio que será mais fácil de nos encontrarmos. Vamos dar um jeito nisso mais para frente." Amanhã Maurren deve voltar a Interlagos para ficar com Pizzonia. Ele afirma que a namorada adora velocidade: "A Maurren já correu de kart há muito tempo, a família inteira dela gosta de kart. Ela não tem receio da velocidade, muito pelo contrário, ela adora a Fórmula 1." Além da felicidade por estar perto da namorada, Pizzonia garante que está mais tranqüilo para esta prova porque conhece o circuito. "Nas duas primeiras provas eu não conhecia as pistas, tive de me adaptar e aprender durante as corridas. Interlagos eu conheço bem, corri nos últimos dois anos na Fórmula 3000. É uma pista técnica. Quem conhece melhor os macetes dela vai se dar melhor." Nem mesmo a pressão em cima dos brasileiros, que não vencem em casa há dez anos, abala o piloto: "Justamente por conhecer o circuito não me sinto pressionado. Isso tem me ajudado muito para esta corrida de domingo." Sobre as novas regras na categoria, que tiveram como conseqüências resultados surpreendentes nas duas primeiras etapas da competição, Pizzonia ressalta: "As novas regras foram boas, sim, são positivas. Mas na na primeira corrida, na Austrália, foi a chuva que movimentou a prova. Na segunda, na Malásia, houve aquela tumultuada batida na primeira volta. Só poderemos analisar melhor as regras quando tivermos uma corrida realmente ´normal´, sem acontecimentos como esses."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.