Pizzonia quer largar com tanque cheio

Antonio Pizzonia saiu da pista, nesta sexta-feira, preocupado com o desempenho da sua Williams. "Está muito difícil. Eles (os mecânicos) não sabem para que lado ir (em termos de acerto)", desabafou piloto brasileiro, depois dos treinos livres para o GP do Brasil de Fórmula 1, em que conseguiu o 8º e o 13º tempos nas duas sessões realizadas. "Vamos bater a cabeça na parede a noite inteira para melhorar o carro."O modelo da Williams, segundo Pizzonia, não tem o mesmo nível de pressão aerodinâmica dos da McLaren e da Renault. Ao mesmo tempo, a equipe não encontra uma área específica do carro na qual mexer e conseguir um progresso razoável de desempenho. Na opinião de Pizzonia, mais vale sua equipe trabalhar em um bom acerto para a corrida do que conquistar uma boa posição no grid de classificação. "Se depender de mim, a estratégia para o treino será andar com tanque cheio e tentar chegar aos pontos. Pódio é muito difícil. Quase um milagre", admitiu o brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.