Pizzonia quer voltar a testar a Williams

Ao mesmo tempo em que Rubens Barrichello vivia as emoções de sua espetacular vitória no GP da Grã-Bretanha, outro brasileiro, Antonio Pizzonia, recebia a desagradável informação de que não vai disputar o restante da temporada pela Jaguar. Ele será substituído pelo inglês Justin Wilson, de 24 anos e 1,93 metro, que disputou as primeiras 11 etapas do campeonato pela Minardi. A Jaguar alegou, em comunicado oficial, que o amazonense ?não conseguiu mostrar todo o seu potencial nas 11 corridas que realizou?, por isso a decisão de trocá-lo por Wilson. O empresário de Pizzonia, Jaime Brito, disse estar surpreso com a dispensa e que tem elementos que vão garantir na Justiça os direitos do piloto. Pizzonia não fez pontos no Mundial. Sua melhor colocação foi um nono lugar, no GP da Áustria. Já seu então companheiro de equipe, Mark Webber, marcou 12 pontos até agora - dois sextos e três sétimos lugares. O fato de o brasileiro não marcar pontos provavelmente está por trás da atitude da Jaguar. Seus dirigentes tentam convencer a Ford de que a equipe é viável e vai evoluir - têm medo que a montadora reduza seus investimentos - e, para isso, precisa de pilotos que façam o maior número de pontos possível durante a temporada. Pizzonia não estava conseguindo e eles acham que Wilson fará o que a equipe precisa. ?Ele saberá aproveitar a oportunidade?, disse David Pitchforth, diretor do time. O curioso na história é que a Jaguar ofereceu a Pizzonia a ?oportunidade? de ser piloto reserva e de testes da equipe, apesar de o piloto não ter conseguido ?mostrar todo o seu potencial?. Jaime Brito, porém, disse que essa hipótese está descartada. Informou também que o amazonense não volta ao Brasil. Ele vai tentar reaver a condição de piloto de testes da Williams que Pizzonia exercia na temporada passada. A Jaguar já havia tentado ?limar? o brasileiro nesta temporada. A fritura começou após o GP do Brasil e prosseguiu até a prova da Espanha. A idéia era colocar o austríaco Alexander Wurz na vaga. Naquela ocasião, porém, Brito conseguiu reverter a situação. A Minardi contratou o dinamarquês Nicolas Kiesa, de 25 anos, que estava disputando a F-3000, para o lugar de Justin Wilson.

Agencia Estado,

21 de julho de 2003 | 19h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.