Arquivo/AE
Arquivo/AE

Polícia italiana confisca iate de Flavio Briatore

Ex-dirigente é investigado por fraude fiscal por não pagar impostos sobre bandeira não-europeia e combustível do navio

EFE,

21 de maio de 2010 | 10h26

O ex-dirigente de escuderias de Fórmula 1, Flavio Briatore, está sendo investigado pela Polícia italiana, que confiscou seu iate Force blue, sob a acusação de fraude fiscal. Segundo informações veiculadas hoje pela imprensa italiana, o promotor de Gênova Walter Cotugno solicitou a apreensão do iate, que estava nas águas da Spezia (noroeste da Itália).

Briatore é investigado por crime de evasão de impostos. A Polícia explicou que, além de não ter pagado 4 milhões de euros (cerca de 9,5 milhões de reais) em imposto sobre valor agregado (IVA), também não teria abonado cerca de 550 mil euros (aproximadamente 1,3 milhão de reais) referentes a impostos de combustível do iate.

Segundo uma normativa da União Europeia (UE), quando se introduz na zona do euro um navio com bandeira não-europeia, é necessário pagar o IVA, algo que, segundo os investigadores, Briatore não fez. A lei indica que, se a embarcação for abastecida em águas europeias, é necessário pagar impostos sobre o combustível caso se permaneça em território da UE ou se deixe o local antes de oito horas.

O fato é que o luxuoso iate que Briatore exibe com orgulho a seus amigos não é seu, mas pertence a uma empresa de aluguel de embarcações com sede nas Ilhas Virgens britânicas e tem bandeira das Ilhas Cayman. Por não ser proprietário do barco, Briatore até estaria isento de pagar os impostos. No entanto, o promotor assegura que o Force blue não foi nunca alugado e que Briatore é quem o utiliza exclusivamente.

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1Flavio Briatore

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.