Pook é o novo presidente da Cart

O inglês Chris Pook é o novo presidente da Cart - Championship Auto Racing Teams - em substituição a Joe Heitzler. O anúncio oficial foi feito nesta quarta-feira. Pook, responsável pelas corridas de Fórmula 1 e, depois, da Cart, em Long Beach, era o favorito para o cargo. A missão do dirigente é recuperar a imagem da categoria nos Estados Unidos, abalada depois da saída da Penske."Fiquei honrado em receber o convite do Comitê de Diretores. Pretendo retribuir o voto de confiança levando à Cart a um novo nível de sucesso". Pook, entretanto, não foi escolhido por unanimidade. Alguns diretores votaram contra já que o dirigente tinha sido convidado há um ano e recusou a proposta. A Dover Downs Entertainment, empresa que Pook dirigia, organizando a prova de Long Beach, continuará cuidando desta corrida assim como a de Denver que será disputada pela primeira vez no ano que vem. Para liberar Pook, a Dover Downs solicitou prioridade para a organização de possíveis futuras provas de rua em St. Louis, Nashville e St.Petersburg, na Flórida. Joe Heitzler permanecerá na Cart como presidente do Comitê de Diretores. Chris Pook, 60 anos, começou sua carreira de organizador de corridas em 1976 com o GP de Long Beach de Fórmula 1. A partir de 1984, Pook substituiu a Fórmula 1 pela Indy e continuou fazendo sucesso. O dirigente, entretanto, não teve a mesma sorte com a corrida de Madison que deixou de ser disputada este ano por falta de interesse e também por problemas técnicos no circuito oval. O único cargo que ele deverá manter é de membro do comitê pró-candidatura de Los Angeles para os Jogos Olímpicos de 2012. Um dos primeiros desafios que Chris Pook deverá enfrentar é o ultimato de diversos promotores, incluindo os de Mid-Ohio, Cleveland, Vancouver, de corridas nos Estados Unidos, solicitando uma redução substancial no custo das provas da Cart, com o argumento de que o interesse não será o mesmo sem os carros da Penske pilotados pelo bicampeão Gil de Ferran e Hélio Castro Neves. Nos Estados Unidos circularam informações, no final de semana, de que três promotores de provas da Cart estariam negociando com a Indy Racing League para 2003: Vancouver, Elkhart Lake e Laguna Seca. Estas poderiam se tornar as primeiras corridas em circuitos mistos (Elkhart Lake e Laguna Seca) e de rua (Vancouver). Pook terá que demover os promotores desse plano e convencê-los a permanecer na Cart. A Chip Ganassi também, aos poucos, vai estreitando seus laços com a Indy Racing League. Ela foi a primeira equipe a disputar as 500 Milhas, depois da separação das duas entidades, em 2000. E ganhou a corrida com Juan-Pablo Montoya. Para 2002, a Chip Ganassi oficializou que pretende disputar três das cinco primeiras corridas da IRL, incluindo as 500 Milhas de Indianápolis. A princípio, o piloto escolhido será o sueco Kenny Brack que ganhou a prova de Indianápolis em 1999. A IRL fechou o calendário de 2002 com 15 provas e definiu que as etapas nos superspeedways de Michigan e Fontana terão 400 milhas. A prova de Richmond, cuja pista mede apenas 1.200 metros, terá 250 voltas. E Pikes Peak, circuito de uma milha, terá 225 voltas. Das 15 corridas, dez terão transmissão com exclusividade pela ABC, incluindo as 500 Milhas, e as outras cinco pela ESPN Internacional. Enquanto a SporTV promete transmitir todas as provas da IRL no ano que vem, a Rede Record estaria revendo seus planos para transmitir ao vivo das corridas da Cart do ano que vem. A emissora tem contrato por mais uma temporada. Já a Rede Globo está analisando a possibilidade de fazer um programete especial no dia seguinte de cada etapa da IRL. E também de transmitir ao vivo trechos das 500 Milhas de Indianápolis, dia 26 de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.