Piero Cruciatti/AFP
Piero Cruciatti/AFP

Por problema de saúde, Sergio Marchionne deixa a presidência da Ferrari

John Elkann será o substituto de dirigente, que passou recentemente por uma intervenção cirúrgica

Estadão Conteúdo

21 de julho de 2018 | 17h46

A Ferrari anunciou neste sábado que o seu presidente, Sergio Marchionne, precisou deixar o cargo por causa de problemas de saúde. O dirigente foi submetido recentemente a uma intervenção cirúrgica e não reunirá condições de voltar ao trabalho, informou a montadora italiana por meio de um comunicado oficial.

+ Feliz por pole, Vettel ignora quebra de Hamilton: 'Tenho de pensar em mim'

+ Hamilton diz que empurrou carro depois de quebra por 'vontade de não desistir'

No mesmo dia em que Sebastian Vettel conquistou a pole do GP da Alemanha de Fórmula 1, no circuito de Hockenheim, a escuderia de Maranello também informou que John Elkann foi nomeado como novo presidente e que o seu conselho de administração vai propor aos seus acionistas, em reunião que ocorrerá nos próximos dias, que Louis Camilleri assuma o posto de CEO da Ferrari, função que também era desempenhada por Marchionne.

"O conselho de administração da Ferrari soube com profunda tristeza durante sua reunião de hoje (sábado) que o presidente e CEO Sergio Marchionne não poderá voltar ao trabalho. O conselho está com Sergio Marchionne e sua família e é grato pela extraordinária contribuição que ele deu nos últimos anos no comando da Ferrari", afirmou a montadora.

Marchionne, de 66 anos, também foi oficialmente substituído como presidente-executivo da Fiat Chrysler (FCA) neste sábado pelo chefe da Jeep, Mike Manley. O motivo foi a saúde do executivo se deteriorar acentuadamente após passar por uma cirurgia no ombro, da qual ele vinha se recuperando antes de o seu quadro voltar a piorar.

Nomeado como novo presidente da Ferrari, John Elkann é presidente do conselho da FCA. Já Louis Camilleri é um ex-presidente da Philip Morris, a companhia de tabaco que foi patrocinadora da equipe italiana na Fórmula 1 por mais de 40 anos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.