Porta-voz de Suzuka vê 'má sorte' no acidente de Jules Bianchi

Masamichi Miyazaki não acredita em erro da organização e atribui acidente a aquaplanagem. Piloto segue hospitalizado

Estadão Conteúdo

07 de outubro de 2014 | 11h32

O grave acidente sofrido pelo francês Jules Bianchi no GP do Japão de Fórmula 1, no último domingo, foi "má sorte". Pelo menos é essa a opinião do porta-voz do circuito de Suzuka, Masamichi Miyazaki, que nesta terça-feira falou sobre o ocorrido com o piloto da Marussia, que segue internado em condições críticas depois de ter batido com seu carro em um guindaste que removia a Sauber de Adrian Sutil na área de escape da pista na 43ª volta da corrida.

Bianchi perdeu o controle do seu monoposto pouco depois do acidente com Sutil na prova, realizada sob forte chuva, na Curva 7 do circuito e acabou atingindo em alta velocidade o veículo de apoio, que chegou a sair do chão com a força do impacto. Removido de ambulância até o hospital, pois as condições climáticas desfavoráveis inviabilizaram o uso do helicóptero, ele foi submetido a uma cirurgia após sofrer graves lesões na cabeça.

A direção do GP do Japão vem sofrendo várias críticas desde o último domingo por ter permitido a remoção da Sauber de Sutil com a prova em andamento, sendo que havia a opção do uso do safety car para evitar o risco do acidente. Porém, Miyazaki não acredita que houve um erro de avaliação por parte dos responsáveis pela corrida.

"Os fiscais levantaram ''duplas bandeiras amarelas'' depois do acidente com Sutil, o que significa que os pilotos tiveram de diminuir a velocidade a um ponto que poderia parar imediatamente, mas infelizmente o carro de Bianchi aquaplanou justamente naquela hora e acabou indo para o lado do acidente, o que foi má sorte", afirmou o porta-voz, que depois ainda defendeu a continuidade da prova após o acidente com Sutil.

"Reconhecidamente, a chuva estava vindo e a pista estava molhada, mas a chuva não estava pesada o suficiente para interromper a corrida, e acredito que os diretores de prova fizeram o mesmo julgamento", reforçou.

O acidente com o piloto francês acabou provocando o encerramento antecipado da prova, com vitória para Lewis Hamilton, da Mercedes, quando foram completadas apenas 44 das 53 voltas previstas.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) informou nesta terça-feira que o estado de saúde de Bianchi segue "crítico, porém estável" no Mie General Hospital em Yokkaichi, onde foi internado pouco após o acidente de domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.