Prefeitura do Rio processará a Cart

O secretário Municipal de Esporte e Lazer do Rio, Ruy Cezar, repudiou a ameaça do presidente da Championship Auto Racing Teams (Cart), Joseph Heitzler, de processar a prefeitura por causa da não realização do Grande Prêmio Rio 200, de Fórmula Indy. "Eles tem a legitimidade de buscarem seus direitos na Justiça, mas podem esperar que nós também vamos atrás dos nossos", afirmou Ruy, garantindo também vai entrar na Justiça contra a Cart.De acordo com o secretário, uma auditoria constatou que a prefeitura tinha pagado duas vezes à Cart pelos GPs de 1997, 98 e 99. Por isso, explicou, um processo será impetrado na Justiça para que o montante excedente seja devolvido ao município. O secretário classificou de "inverídicas e sem conteúdo" as afirmações de Heitzler, que chamou o prefeito César Maia de inábil e incompreensível. Informou que se reuniu com o vice-presidente da Cart, Tim Mayer, mas o impasse não foi solucionado. "O Mayer até abriu mão da carta de crédito, mas não quis rever os valores. Ele ainda falou com o procurador Geral do Município, Júlio Horta, e de nada adiantou", explicou.No encontro com o procurador, os dirigentes voltaram a insistir no pagamento do montante de aproximadamente US$ 5 milhões, valor fixado no contrato assinado em 1997. A prefeitura rebateu, admitindo pagar apenas US$ 1,1 milhão, do contrato anterior. Horta informou que nesta segunda-feira enviou uma carta para os representantes da Cart no Brasil e nos Estados Unidos para que a prefeitura seja comunicada oficialmente do cancelamento da prova. Ele ainda disse que será movido um processo contra a entidade por ter "maculado a imagem da cidade".Uma das principais queixas de Ruy é o fato de, em nenhum momento, a prefeitura ter sido comunicada da alteração no traçado da prova. Neste ano, a corrida não seria disputada em um circuito oval, mas no misto. O secretário assumiu a responsabilidade por ter impedido os dirigentes da Cart de fiscalizarem o Autódromo Internacional Nélson Piquet. "Eles não pediram autorização ao procurador e nem a mim", irritou-se o secretário.Maia não quis dar declarações sobre o episódio, mas o secretário informou que o prefeito ficou triste com o cancelamento do GP. Ruy Cezar garantiu que a cidade ainda planeja a contar com a prova no próximo ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.