Srdjan Suki/Efe
Srdjan Suki/Efe

Preocupado, Rosberg diz que Mercedes não pode 'dormir' no GP da Malásia

Líder do campeonato alerta que concorrentes vão se empenhar para superar escuderia alemã

Agência Estado

24 de março de 2014 | 11h04

BRACKLEY - Depois da vitória na abertura da temporada da Fórmula 1, Nico Rosberg não quer sossego na Mercedes. O piloto alemão admitiu nesta segunda-feira que está preocupado com as melhorias que os rivais podem apresentar na próxima corrida, domingo, na Malásia, e avisou que a equipe não pode "dormir".

"Não podemos dormir agora. Os rivais estão correndo atrás do prejuízo como loucos", declarou Rosberg em entrevista à Autosport. "Estamos apenas no início do campeonato, então há ainda muitas coisas que podem ser melhoradas. Temos que manter este bom momento para não deixar os rivais nos alcançarem. O mais importante é continuar forçando".

Para o alemão, a confiança conquistada na estreia - Rosberg venceu com vantagem de 24 segundos sobre o então segundo colocado, Daniel Ricciardo, desclassificado ao fim da prova - não deve afetar o trabalho contínuo na fábrica. "Quando você obtém uma vantagem como essa, existe a possibilidade de você ficar confiante demais".

O piloto lembrou que a sombra da confiabilidade, tão importante neste início de campeonato, ainda assombra a Mercedes por causa do abandono precoce de Lewis Hamilton no GP da Austrália. "A corrida na Austrália marcou um início de campeonato perfeito. Mas também nos alertou que ainda não estamos 100% em termos de confiabilidade", disse Rosberg.

A maior ameaça à Mercedes neste início de temporada é a McLaren, que também conta com motores da Mercedes. Com a desclassificação de Ricciardo, da Red Bull, a McLaren terminou a corrida australiana com uma dobradinha no pódio. Kevin Magnussen foi o segundo e Jenson Button, o terceiro. Com este pódio, a equipe lidera o Mundial de Construtores com oito pontos de vantagem sobre a Mercedes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.