Alessandro Garofalo / Reuters
Alessandro Garofalo / Reuters

Presidente da FIA, Jean Todt revela que Schumacher 'continua lutando' pela vida

'Só podemos desejar a ele e à família que as coisas melhorem', afirmou o francês, em entrevista ao canal de TV RTL

Redação, Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2020 | 10h33

O francês Jean Todt, ex-chefe da Ferrari e atual presidente da Federação Internacional do Automobilismo (FIA, na sigla em francês), voltou a comentar sobre o estado de saúde do alemão Michael Schumacher, heptacampeão mundial de Fórmula 1, que há quase sete anos sofreu acidente de esqui na França e, desde então, luta para não morrer e permanece imóvel em uma cama.

Depois do título da temporada deste ano da Formula 1 ter sido novamente conquistado pelo britânico Lewis Hamilton, que chegou ao mesmo patamar de Schumacher, Jean Todt revelou que o seu amigo está "bem instalado", destacando, contudo, que a sua saúde ainda inspira cuidados. O dirigente tem sido a única voz capaz de dar informações sobre Schumacher, uma vez que a família prefere manter a condição do ex-piloto em sigilo absoluto desde o acidente. 

"Schumacher está bem acompanhado e confortavelmente instalado. Continua lutando e só podemos desejar a ele e à família que as coisas melhorem", disse o presidente da FIA, em entrevista ao canal de TV francês RTL. Apesar da pandemia do novo coronavírus, que provocou distanciamento social, Todt afirmou que continua visitando o alemão de duas a três vezes por mês.

Em dezembro de 2013, Schumacher caiu enquanto esquiava nos alpes franceses, bateu a cabeça em uma pedra e sofreu lesões cerebrais. Desde então, ele encontra-se em coma e já foi submetido a duas intervenções cirúrgicas, das quais saiu em estado crítico, mas estável. Em março de 2014, o corredor começou a respirar sem a ajuda de aparelhos, tendo tido alta em setembro para continuar a recuperação em sua casa, com a família próxima. Durante algum tempo, o ex-piloto parecia estar reagindo ao tratamento, alimentando esperanças em uma eventual recuperação.

Em maio de 2016, no entanto, Todt revelou detalhes sobre o estado de saúde de Schumacher, que tinha piorado drasticamente. Três anos mais tarde, foi noticiado que o ex-piloto deixou de estar acamado e que sua vida não dependeria mais de uma máquina. A família tenta manter seu estado de saúde em silêncio. Em uma das raras declarações públicas sobre o tema, Corinna Betsch, mulher de Schumacher, deu a entender que ele segue reagindo lentamente.

Filho de Schumacher

Jean Todt também comentou sobre Mick Schumacher, filho de Michael, que está na liderança da atual temporada da Fórmula 2. Para o presidente da FIA, o alemão poderá ganhar uma chance na F-1 em 2021. "Provavelmente correrá na Fórmula 1 no próximo ano, estamos muito contentes por ter novamente um Schumacher no mais alto nível do automobilismo", disse o francês.

Romain Grosjean e Kevin Magnussen deixarão a Haas no fim desta temporada e Schumacher vem sendo especulado para assumir uma das vagas, assim como o russo Nikita Mazepin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.