Presidente da FIA quer limitar orçamento de equipes da F-1

Max Mosley pretende limitar o orçamento das 11 equipes da categoria em US$ 150 milhões

Efe

12 de janeiro de 2008 | 11h27

Em reunião realizada nesta sexta-feira em Paris, o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, comunicou as 11 equipes que disputam atualmente a Fórmula 1 que pretende limitar o orçamento delas em US$ 150 milhões. As informações são do site da revista alemã "Auto, Motor und Sport".   O valor que as escuderias poderão gastar vai ser estabelecido pela FIA em nova reunião no mês de fevereiro e não incluirá as despesas relativas aos motores dos carros.   A revista explica que a proposta leva em conta o fato de que algumas equipes constroem seus próprios motores, ao passo que outras apenas os compram de fabricantes de fora. Entretanto, a limitação no orçamento incluiria o custo das peças. Segundo o site da publicação alemã, apenas a Ferrari se manifestou contra a proposta de corte de gastos.  Mosley quer que a FIA e as equipes assinem um contrato vinculativo, o qual criará um órgão de controle para supervisionar o cumprimento do acordo de limitação orçamentária.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariMax MosleyFIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.