Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Primeiro brasileiro a ser tri na Fórmula 1, Piquet completa 60 anos

Piloto campeão mundial em 1981, 1983 e 1987 teve carreira marcada pelo talento e temperamento explosivo

O Estado de S. Paulo,

17 de agosto de 2012 | 10h29

O primeiro brasileiro tricampeão mundial de Fórmula 1 completa 60 anos nesta sexta-feira. Nelson Piquet Souto Maior, carioca de nascimento, garantiu os títulos de 1981, 1983 e 1987 e viveu 14 temporadas na principal categoria do automobilismo cercado de emoções e polêmicas.

Antes mesmo de chegar à Fórmula 1 o piloto teve de enfrentar a vontade do pai, que era contra a opção pela carreira. A saída foi tentar despistar a família e escolher o sobrenome da mãe como o oficial.

A estreia na Fórmula 1 foi em 1978, pela Ensign, e os primeiros pontos vieram já no ano seguinte, pela Brabham. Na mesma escuderia inglesa o piloto venceu as três primeiras provas da carreira em 1980, ano que em foi vice-campeão mundial, ao perder para Alan Jones.

Em 1981 o brasileiro da Brabham chegou ao primeiro título mundial após uma disputa apertadíssima com o argentino Carlos Reutemann. O bicampeonato viria em 1983 em cima do francês Alain Prost.

Depois disso o já consagrado Piquet passou a conviver com outro piloto brasileiro que até então era uma revelação. Com Ayrton Senna fez uma inesquecível dobradinha no GP do Brasil de 1986 e no mesmo ano fez uma das melhores ultrapassagens da história da Fórmula 1, em uma manobra precisa na Hungria.

No ano seguinte, 1987, Piquet teve uma disputa particular contra o colega de equipe na Williams, Nigel Mansell. O terceiro título veio no GP do Japão daquele ano.

Ao mesmo tempo que acumulava vitórias, o temperamento explosivo do carioca também aparecia. No GP da Alemanha de 1982, após ser tirado da prova pelo chileno Eliseo Salazar, Piquet não hesitou e dar sopapos no capacete do colega. Em 1988 trocou farpas públicas com Senna.

Piquet deixou a Fórmula 1 em 1991, ano em que correu pela Benetton e venceu no Canadá a última de suas 23 corridas. Mas o sobrenome do tricampeão mundial continua nome forte na categoria, tanto é que o filho, Nelsinho Piquet, também teve sua chance, ao disputar 28 GPs entre 2008 e 2009 e hoje compete na Nascar Truck Series, nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.