Nelson Antoine/AP
Nelson Antoine/AP

'Professor' de Stroll, Massa diz que aprendeu mais com Schumacher e Alonso na F-1

Ambos foram parceiros do brasileiro na Ferrari

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

09 Novembro 2017 | 07h06

Ao fim de uma temporada em que atuou como "professor" na Williams, Felipe Massa revelou nesta quarta-feira quem foram os pilotos que mais lhe ensinaram na Fórmula 1: o alemão Michael Schumacher e o espanhol Fernando Alonso. Ambos foram parceiros do brasileiro na Ferrari.

+ Massa espera despedida discreta neste ano em Interlagos

+ Massa reforça preferência por correr na Fórmula E no futuro

Schumacher, dono de sete títulos mundiais, ajudou Massa ainda em seu início na F-1. O brasileiro trabalhou mais diretamente com o alemão quando foi piloto de testes do time italiano, em 2003, e quando atuou como titular da equipe, no ano de 2006. "O piloto com quem mais eu aprendi foi o Schumacher, eu era moleque ainda. Foi uma grande evolução na minha carreira", relembrou o brasileiro.

A outra referência do brasileiro foi também seu rival dentro da Ferrari. Alonso e Massa dividiram as atenções da equipe por quatro anos, entre 2010 e 2013. O espanhol teve status de "primeiro piloto" durante este período, quando o brasileiro praticamente não teve chances de brigar por grandes resultados na F-1.

Apesar da rivalidade, Massa vê Alonso como um dos seus maiores professores na categoria. "Ele e Schumacher foram os dois pilotos com quem eu mais aprendi na minha carreira", assegurou o piloto da Williams, que deixará a F-1 após a disputa do GP de Abu Dabi, no dia 26 deste mês.

Curiosamente, em seu último ano na Fórmula 1, Massa foi alçado à posição de "professor". O brasileiro foi peça importante da Williams para ajudar o desenvolvimento do canadense Lance Stroll ao longo desta temporada. Novato na F-1, ele tinha pouca experiência em monopostos quando estreou neste ano, aos 18 anos.

Para Massa, que tinha 35 anos no início do campeonato, Stroll exibiu grande evolução na temporada. "Ele teve um começo bem difícil, mas aprendeu e cresceu bastante. Hoje em dia não se pode dizer que ele não merece estar na F-1", disse o brasileiro, surpreso com o companheiro. "Ele mostrou uma capacidade muito grande na chuva."

Na sua avaliação, o canadense tem condições de evoluir ainda mais na F-1. "Ele tem muito mais a crescer ainda. Terá tempo suficiente e experiência para encaixar umas coisinhas onde ainda precisa melhorar. Mas, sem dúvida, mostrou grande evolução até aqui. E acho que eu fui importante. Conversamos muito, sempre fui muito aberto com ele, sempre passei muitas informações sobre os dados de telemetria, sobre o rendimento dele nas voltas."

DISPUTA INTERNA

A evolução de Stroll foi tanta neste ano que o canadense até superou Massa no Mundial de Pilotos. No momento, ele é o 10º colocado, com 40 pontos, quatro a mais que Massa. O brasileiro, contudo, acredita que sua posição no campeonato não reflete seu rendimento ao longo da temporada.

"Estou satisfeito com o meu campeonato, embora a posição final não seja a real. O mesmo acontece com o Alonso, que esta atrás do parceiro. Não deveria estar lá. Não devo nada pelo que estou na classificação, pelo que fiz nas corridas. Estou feliz pelo campeonato, mas não pela posição. E não foi por culpa minha", disse o brasileiro, que atribuiu posição ruim aos problemas no seu carro. "Infelizmente neste ano tive um pouco de falta de sorte nas corridas para marcar pontos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.