Promotor pede fim do "Caso Senna"

A Promotoria Pública de Bolonha, na Itália, pediu nesta quarta-feira o encerramento do Caso Senna, por prescrição da ação. O diretor-técnico da Williams, Patrick Head, e o projetista da equipe na época, Adrian Newey, foram acusados de serem responsáveis pelo acidente que resultou na morte do piloto brasileiro, em 1º de maio de 1994. Eles foram absolvidos três anos depois do ocorrido, mas o processo foi reaberto em 1999. O pedido de prescrição foi feito nesta quarta-feira pela Procuradoria-Geral do Tribunal de Bolonha, representada pelo promotor Reinaldo Rosini. Na reabertura do caso, Head e Newey eram acusados de homicídio culposo (sem intenção). Senna morreu na quinta volta do Grande Prêmio de San Marino, em Ímola, quando sua Williams FW16 bateu a 280 quilômetros por hora contra a proteção externa da curva Tamburello. De acordo com Rosini, "é indiscutível a responsabilidade de Head, porque era o chefe técnico da Williams que decidiu a operação, e também de Newey, porque omitiu seu dever de verificar a qualidade do trabalho realizado no carro do piloto brasileiro." Apesar disso, Rosini estimou que os dois envolvidos podem se valer dos atenuantes genéricos, incluindo a prescrição prevista pela lei, "devido aos longos tempos que o processo teve". A Justiça Italiana havia absolvido os acusados em 1997, pela inexistência de crime, mas o Tribunal de Apelação anulou a sentença e pediu que novos esclarecimentos fossem trazidos ao processo. Afinal, a perícia técnica realizada logo depois do acidente apurou que houve negligência de Newey, projetista, e Head, diretor-técnico da equipe, na emenda da coluna de direção que se rompeu enquanto Senna percorria a curva Tamburello do circuito Enzo e Dino Ferrari, em Ímola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.