Quebra de câmbio tirou Nelsinho Piquet da corrida

Brasileiro se diz frustrado por não ter conseguido pontuar na corrida na Austrália e explica o abandono

Livio Oricchio, Enviado Especial - O Estado de S. Paulo

16 de março de 2008 | 06h49

A primeira vez é inesquecível. Pois para o piloto brasileiro Nelsinho Piquet, seu primeiro fim de semana na Fórmula 1 como titular da Renault tem tudo para ser justamente o contrário, ou seja, ser esquecido, ficar no passado. A sucessão de problemas no Grande Prêmio da Austrália começaram nos treinos livres e culminaram na corrida, com o abandono na 30.ª volta. O motivo? Novamente, a caixa de câmbio, a mesma que lhe criou problema nos treinos.Veja também: Hamilton vence GP da Austrália em corrida ruim para brasileiros"Eu até que larguei bem, mas na primeira curva me coloquei por dentro, sei que bati no carro da Force India [em Giancarlo Fisichella], e a conseqüência disso é que meu carro ficou impossível de guiar. Quebrou alguma coisa na traseira e voltei a ter dificuldades no câmbio, até o ponto que não trocou mais marcha e fiquei parado na pista", explica o piloto. Nelsinho acredita que a adaptação à categoria é questão de tempo. "As coisas aqui acontecem muito rápido, tudo tem de ser decidido rapidamente, mais rápido do que nas outras categorias. Só fico frustrado mesmo é por não ter marcado pontos", completa.

Tudo o que sabemos sobre:
Nelsinho PiquetFórmula 1Renault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.