Raikkonen diz que vitória no GP da Austrália foi uma das mais fáceis

Piloto da Lotus assumiu liderança ao realizar um pit stop a menos do que os concorrentes

AE, Agência Estado

17 de março de 2013 | 10h16

MELBOUNE - O finlandês Kimi Raikkonen afirmou que a sua 20.ª vitória na Fórmula 1, conquistada neste domingo na abertura da temporada 2013, foi uma das mais fáceis da sua carreira. O piloto da Lotus largou da sétima colocação no GP da Austrália, se manteve perto dos líderes desde o início da prova e assumiu a liderança na parte final ao realizar um pit stop a menos do que os seus principais concorrentes. Assim, celebrou o triunfo e a estratégia adotada para a prova no circuito de Melbourne.

"Nosso plano era fazer duas paradas, e embora seja sempre complicado saber quando parar nas primeiras corridas, nós fizemos no momento certo", disse. "Seguimos o plano e funcionou perfeitamente para nós. Pude poupar os pneus e ir mais rápido, se precisasse. Foi uma das corridas mais fáceis que venci. Espero que possamos ter mais dessas provas", completou.

Após assumir a liderança do GP da Austrália na 43ª volta, Raikkonen viu o espanhol Fernando Alonso tentar alcançá-lo. Mas o finlandês fez a melhor volta da corrida e administrou com tranquilidade a vantagem para vencer a prova com vantagem de 12s451 para o piloto da Ferrari.

"Fernando estava me alcançando em alguns pontos, quando eu estava aliviando mais e peguei algum tráfego, e só tive de garantir que, se a chuva caísse ou alguma outra coisa viesse, eu teria um pouco de diferença. Mas foi uma corrida muito boa, não foi muito difícil", afirmou.

Com a vitória, Raikkonen inicia o campeonato na liderança do Mundial de Pilotos, mas diz ser cedo para pensar em título. "Parece bom, mas foi apenas uma corrida, e isso não muda realmente nosso objetivo ou trabalho. Estamos felizes com a vitória e ainda há muito a trabalhar para tentar vencer o campeonato", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.