Raikkonen quer se aproximar de Alonso

O finlandês Kimi Raikkonen, da McLaren, segundo colocado no Mundial, com 27 pontos, tem neste domingo boa chance de reduzir a diferença que o separa do líder do campeonato, Fernando Alonso, da Renault, com 49. Kimi sai em segundo, na primeira fila do GP da Europa, ao lado do alemão Nick Heidfeld, da Williams, o pole position. Alonso, apenas em sexto. Foi a primeira pole de Heidfeld, diante da sua família e amigos, já que ele nasceu próximo do circuito de Nurburgring. "Eu não esperava esse resultado, é fantástico", disse Heidfeld. Não havia, neste sábado, nenhum ar de preocupação em Kimi, depois da sessão que definiu o grid, agora realizada apenas sábado. "É preciso ver o quanto de gasolina cada um tem no carro", afirmou. Todos os indícios são de que a dupla da Williams, Heidfeld na pole e Mark Webber em terceiro, deverá realizar o primeiro pit stop, dos dois estimados para a maioria, bem antes do finlandês da McLaren. "Temos um carro muito rápido e constante para a corrida", falou Kimi. A escolha dos pneus, sexta-feira, foi bastante difícil para todos. O calor de 31 graus esperado para hoje não estava nos planos da Michelin, fornecedora da McLaren, Renault, Williams e Toyota, dentre outras, e da Bridgestone, Ferrari. As últimas voltas podem apresentar surpresas. Fernando Alonso parecia reflexivo depois da classificação. "Acho estranho eu no treino da manhã estar entre os mais rápidos (terceiro, a três décimos de segundo de Raikkonen) e, de repente, me ver mais para trás", comentou. "Penso que é por causa das diferentes estratégias de cada um para as 60 voltas da prova." O próprio Raikkonen reconheceu que pode mesmo ser esse o caso. "Parece provável que a Renault esteja mais pesada. Em corrida eles virão fortes." Giancarlo Fisichella, companheiro de Alonso, larga em nono. Na sexta-feira o espanhol afirmou que, agora, se ver logo que não dá para acompanhar Kimi, correrá pelo segundo lugar. "Vou administrar minha vantagem na classificação (hoje é de 22 pontos)." Heidfeld conseguiu o segundo lugar em Mônaco, há uma semana, seu melhor resultado em corrida, e sábado estabeleceu a pole pela primeira vez, no seu GP de número 91. "A Williams está, definitivamente, em evolução. Em breve vamos estrear um novo pacote aerodinâmico que, com certeza, irá nos aproximar dos mais velozes." A última pole da Williams havia sido no GP do Canadá de 2004, com Ralf Schumacher. Quem vê com bons olhos o desenvolvimento da Williams é Rubens Barrichello, da Ferrari, sétimo no grid. "Eles poderão tirar pontos da Renault e da McLaren o que nos será favorável", falou. Sobre suas possibilidades na sétima etapa da temporada, disse: "Nosso ritmo de corrida é muito bom. Seguramente nossa condição é melhor que em Mônaco. Penso ser realista pensarmos numa boa colocação final." Michael Schumacher larga, domingo, em décimo. Na sua disputa com Rubinho por melhores colocações no grid está, agora, em desvantagem: 4 a 3. "Perdi tempo na curva 10, o carro saiu muito de frente", explicou. Quase que se excluiu da luta pela vitória: "Como sempre vou dar o máximo para somar o que der de pontos." Outros dois pilotos que podem realizar bom trabalho no circuito de Nurburgring são Jarno Trulli, da Toyota, quarto, e Juan Pablo Montoya, McLaren, quinto. Felipe Massa, da Sauber, conseguiu um bom 11.º tempo enquanto os pilotos da BAR sofreram com o fato de terem sido os primeiros a entrar na pista. Eles não disputaram as duas últimas etapas, suspensos. Jenson Button larga em 13.º e Takuma Sato em 16.º.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.