Tom Gandolfini/AFP
Tom Gandolfini/AFP

Recordes podem marcar o GP na Alemanha, domingo, no circuito de Nurburgring

Hamilton pode se tornar o piloto com mais vitórias e Raikkonen, com mais grandes prêmios na história da categoria

Redação, Estadão Conteúdo

08 de outubro de 2020 | 09h49

Após sete anos, a Fórmula 1 volta ao circuito de Nurburgring com o GP de Eifel, na Alemanha, 11ª etapa da temporada, neste domingo. E o tradicional circuito poderá registrar algumas marcas importantes para a principal categoria do automobilismo. O hexacampeão Lewis Hamilton, da Mercedes, tem a segunda chance de igualar as 91 vitórias de Michael Schumacher, enquanto o finlandês Kimi Raikkonen vai tentar alinhar seu Alfa Romeo e participar do 323º Grande Prêmio após igualar o recorde do brasileiro Rubens Barrichello na Rússia há duas semanas.

Hamilton venceu em Nurburgring com a McLaren em 2011 - a 16ª de suas 90 vitórias até agora. Caso não ganhe domingo, o britânico ainda pode aumentar seus recordes de poles (96) e pódios (159). Raikkonen, o 'Iceman' (Homem de Gelo), que fez sua estreia na Fórmula 1 com a Sauber em 2001 e agora está com 40 anos e é o piloto mais velho na corrida, não mostra muito entusiasmo com o feito. "Recorde ou não, estou me aproximando deste fim de semana como qualquer outro porque, uma vez que você está no carro, é praticamente a mesma coisa", disse o campeão mundial de 2007 com a Ferrari.

"Já corri aqui algumas vezes, acho que deveria ter vencido algumas corridas, mas tivemos um pouco de azar às vezes, mas é assim que as corridas acontecem", afirmou o piloto, com sua frieza característica. A atenção na Alfa Romeo é redobrada, pois na sexta-feira Mick Schumacher, filho de 21 anos do heptacampeão mundial Michael Schumacher e líder da Fórmula 2, vai fazer sua estreia nos treinos da F-1. O circuito alemão fica muito perto da casa de infância de seu pai, em Kerpen.

Na última prova em Nurburgring, em 2013, a vitória foi de Sebastian Vettel, com a Red Bull, no ano em que conquistou o seu quarto título do mundo. Mas a pole foi de Hamilton, que no ano passado, em Hockenheim, terminou apenas em nono lugar. A expectativa é de clima frio e chuvoso para os treinos que começam nesta sexta-feira, para a formação do grid no sábado e para a corrida no domingo.

Hamilton lidera o Mundial com 205 pontos, contra 161 do companheiro de Mercedes, o finlandês Valtteri Bottas. O holandês Max Verstappen, da Red Bull, tem 128, enquanto o britânicco Lando Norris (McLaren) soma 65, um à frente do tailandês Alexander Albon (Red Bull) e dois do australiano Daniel Ricciardo (Renault).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.