Red Bull celebra título de construtores, mas quer mais

Com o resultado do GP dos Estados Unidos, no domingo, em Austin, a Red Bull assegurou matematicamente o título do Mundial de Construtores pela terceira temporada seguida. Mas a equipe ainda quer mais: o trabalho é ser campeã também entre os pilotos, com o alemão Sebastian Vettel, no próximo domingo, quando acontece a última etapa do campeonato, no Brasil.

AE, Agência Estado

19 de novembro de 2012 | 15h49

A Red Bull tinha chance de conquista dupla nos Estados Unidos, mas Vettel não conseguiu assegurar o título entre os pilotos. Ele terminou a corrida em segundo lugar, atrás do inglês Lewis Hamilton (McLaren), e aumentou a sua vantagem na liderança do campeonato, agora com 13 pontos a mais que o espanhol Fernando Alonso (Ferrari), único que ainda o ameaça.

Enquanto Vettel conseguiu o segundo lugar, o outro piloto da Red Bull, o australiano Mark Webber, foi obrigado a abandonar a prova no recém-inaugurado circuito das Américas por causa de problemas no carro. Mesmo assim, a equipe já somou pontos suficientes para ser campeã novamente entre os construtores: tem 440, contra 367 da segunda colocada Ferrari.

"É um feito incrível para toda a equipe. O Mundial de Construtores é a medida que usamos para nos compararmos com nossos adversários e, para todos os membros do time, é como avaliamos nossa performance. O título de pilotos traz mais prestígio com o público, mas tem a mesma importância do de construtores", comemorou o chefe da Red Bull, Christian Horner.

Criada há apenas oito anos, a Red Bull tornou-se, assim, a quarta equipe na história da Fórmula 1 a conquistar três títulos seguidos de construtores, juntando-se a Ferrari, McLaren e Williams. Mas a festa pela conquista assegurada em Austin já ficou para trás: agora, a meta é ser campeã também entre os pilotos, no próximo domingo, no circuito de Interlagos.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Red Bull

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.