Tamas Kovacs/EFE
Tamas Kovacs/EFE

RBR confirma troca de motor e pilotos sofrerão punição em Monza

Ricciardo e Kvyat perdem 10 posições para o GP da Itália

Estadão Conteúdo

02 de setembro de 2015 | 15h54

Os pilotos da Red Bull vão começar o GP da Itália em desvantagem no fim de semana. Tanto o australiano Daniel Ricciardo quanto o russo Daniil Kvyat sofrerão punição no circuito de Monza por causa da troca de motor dos seus carros, confirmada pelo chefe de equipe, Christian Horner, nesta quarta-feira.

"Nossos dois carros vão sofrer punição neste fim de semana, porque usarão o sexto motor da temporada", revelou Horner, em entrevista ao site da revista britânica Autosport. "Os motores que temos não têm mais condições de serem utilizados. E precisamos fazer o que pudermos para chegarmos até o fim do ano."

Para justificar a troca das unidades de potência, Horner lembrou que o circuito italiano exige muito dos motores da Fórmula 1. "Foi uma decisão estratégica porque o traçado de Monza exige que você mantenha o pé fundo no acelerador durante 75% do tempo, então com certeza este não é um dos nossos circuitos favoritos do ano", disse, ao citar as limitações do motor Renault na atual temporada.

Com a decisão, Ricciardo e Kvyat vão perder cada um 10 posições no grid de largada, na corrida de domingo. Pelo regulamento da F1, os pilotos podem utilizar apenas cinco motores durante toda a temporada. A cada nova unidade de potência acima do limite, eles cumprem punições no grid de largada.

No GP da Bélgica, na etapa anterior, o mesmo havia acontecido com a McLaren. O espanhol Fernando Alonso e o britânico Jenson Button largarão do fundo do pelotão por seguidas trocas em diversos componentes da unidade de potência. Ao todo, eles acumularam a perda de 105 posições no grid, todas cumpridas em Spa. O holandês Max Verstappen, da Toro Rosso, também trocou o motor e perdeu 10 posições naquela corrida.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.