Red Bull evita criticar decisão do Tribunal da FIA

Responsável pelo protesto formal que levou ao julgamento da Mercedes, a Red Bull adotou tom diplomático nesta sexta-feira após punição branda aplicada pelo Tribunal Internacional da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) à equipe de Lewis Hamilton e Nico Rosberg.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2013 | 16h13

"Não somos nós quem devemos decidir sobre a punição. É o Tribunal quem deve decidir e eles tomaram a decisão", esquivou-se Christian Horner. O chefe da Red Bull resumiu sua crítica reforçando a constatação de que a Mercedes quebrou as regras da Fórmula 1, ao participar de um teste de mil quilômetros com os pneus da Pirelli e o carro de 2013, em maio.

Horner se mostrou satisfeito com a chance de expor o ato irregular da Mercedes. "O Tribunal teve contato com todos os fatos ontem [quinta] e tomou sua decisão. Nós fizemos o protesto porque queríamos saber se é possível fazer testes durante a temporada com o carro atual. Acreditamos que isto é uma quebra das regras", declarou.

O Tribunal decidiu apenas repreender a Pirelli e suspender a Mercedes do programa de jovens pilotos da F1, que será realizado entre 17 e 19 de julho, em Silverstone, na Inglaterra.

Fornecedora única de pneus à Fórmula 1, a Pirelli convocou a Mercedes para testar seus compostos entre os dias 15 e 17 de maio, no Circuito de Barcelona, logo após o GP da Espanha. Como o regulamento da F1 proíbe testes durante a temporada, Mercedes e Pirelli acabaram no Tribunal da FIA, que emitiu seu brando veredicto nesta sexta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.