Red Bull garante ser contra ordens de equipe

Christian Horner, chefe da equipe de F-1, defendeu a disputa entre pilotos

AE, Agência Estado

30 de julho de 2010 | 09h28

BUDAPESTE - A Red Bull defendeu que a regra proibindo as ordens de equipe na Fórmula 1 seja mantida após o polêmico GP da Alemanha, quando o brasileiro Felipe Massa cedeu a liderança ao espanhol Fernando Alonso após ser instruído pela Ferrari. Christian Horner, chefe da equipe, defendeu a disputa entre os pilotos e relembrou a criação da regra, fruto de incidente semelhante que envolveu Rubens Barrichello e Michael Schumacher no GP da Áustria de 2002.

"Acho que a regra foi criada por uma razão, para evitar a situação que aconteceu em 2002. Fórmula 1 é um esporte de equipe, mas as regras são como são. A questão em Hockenheim foi muito mais um problema entre a FIA e a Ferrari", afirmou. "Eu acho que pensando adiante, talvez seja uma área que precisa ser olhada. Mas acho que para mim, a Fórmula 1 foi muito saudável nos últimos anos, com os pilotos competindo entre si e eu acho que isso deve ser incentivado ao invés de negado", completou.

Horner garantiu a Red Bull não usará o expediente de dar ordens ao piloto e ressaltou que no GP da Turquia a equipe perdeu uma chance de conquistar uma dobradinha por conta de um acidente entre Sebastian Vettel e Mark Webber. "Na Turquia, nós pagamos o preço, com um abandonando e outro atingindo um resultado abaixo do que ele deveria ter feito. Se as regras fossem diferentes, então talvez tivéssemos trilhado uma corrida diferente, mas a filosofia da Red Bull Racing é permitir que ambos os pilotos disputem, como [Dietrich] Mateschitz [dono da Red Bull] disse abertamente".

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Red BullChristian Horner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.