Divulgação
Divulgação

Red Bull mostra desânimo depois de novos problemas em teste da Fórmula 1

No Bahrein, equipe austríaca só consegue dar 14 voltas e repete frustração da primeira bateria

O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2014 | 15h30

SAKHIR - A Red Bull terminou o primeiro dia de testes da pré-temporada da Fórmula 1, no Bahrein, bastante desanimada. A equipe vencedora dos quatro últimos campeonatos teve novos contratempos e o tetracampeão Sebastian Vettel deu apenas 14 voltas até ter problema de freio em uma das rodas traseiras e precisar voltar aos boxes de carona.

"Com frequência você arruma um problema no carro e outro aparece. Faz parte dos testes. Todos sabíamos que o ano seria uma grande desafio. Obviamente, não queríamos isso, mas vamos nos empenhar para solucionar tudo", disse Vettel após a sessão. A equipe não mandou o carro para a pista pela manhã. Já à tarde o alemão deu apenas 14 voltas e conseguiu marcar o quinto melhor tempo.

A bateria de testes no Bahrein, a segunda da pré-temporada, era a esperança para a Red Bull mostrar algo melhor do que o desempenho pífio de janeiro, em Jerez de la Frontera, na Espanha. Na ocasião, Vettel e o seu companheiro de equipe Daniel Ricciardo, não conseguiram andar mais do que cinco voltas consecutivas pelos problemas de superaquecimento no motor Renault.

Novamente a temperatura do motor atrapalhou nesta quarta-feira e Vettel precisou até mesmo apagar um princípio de incêndio no seu carro. "Não esperávamos ter tantos problemas logo no começo da temporada. Sei que todos da equipe estão trabalhando com 100% de esforço para resolver isso o mais rápido possível, explicou.

Apesar do problema no Bahrein ser relacionado à temperatura, assim como o de Jerez, a Red Bull descarta se tratar do mesmo defeito. "Identificamos que a falha mecânica não tem ligação com o teste anterior. Passamos duas semanas na fábrica e embora não possa parecer claramente, há um grande progresso desde os testes na Espanha", afirmou o coordenador de corridas da equipe, Andy Damerum.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.