Relação familiar domina a Stock Car

Ser piloto e ter o pai por perto é bom ou ruim? A Stock Car tem alguns desses casos e não é difícil perceber que há o lado positivo e o negativo neste tipo de relação. A convivência entre pais e filhos no box e no paddock tem momentos de abraços fraternos e discussões acaloradas, de cumplicidade e de cobrança. E de mágoas, que só duram algum tempo. Mais exatamente até o próximo bom resultado.Filhos, na pista, e pais, no box, estarão hoje na quinta etapa do campeonato, em Curitiba (largada às 13h05, com SporTV). Thiago Marques e Paulo de Tarso, respectivamente piloto e dono da Action Power, certamente viverão mais um capítulo da relação por vezes conflituosa que mantêm. Já Christian Fittipaldi, piloto da Avallone, provavelmente vai trocar boas idéias com o pai Wilson, diretor da WB Motorsports.Tiago, de 24 anos, admite que não é fácil a convivência com o pai, tido como um dos mestres na Stock. "Não dá para esquecer que comecei a correr tarde (com 21 anos) e fui campeão logo de cara, na Stock Light (em 2001), muito graças a ele, que conhece muito. Mas hoje há o lado ruim. Quando as coisas não estão bem, fica difícil reclamar. Ele é durão e não me dá ouvidos??, revela o piloto.Paulo de Tarso, pai também do ex-piloto de Fórmula 1 Tarso Marques, não é tão severo ao falar da convivência. "Para ser sincero, ser dono da equipe onde corre meu filho é mau negócio??, diz, sorrindo. Ao falar sério, reconhece que uma relação que envolve afetividade é complicada. "O importante é não misturar as coisas.??Mas o saldo é positivo. Thiago não pensa em mudar de equipe e o pai não pensa em dispensá-lo. E numa coisa os dois concordam: "Podemos comemorar nossas vitórias juntos, é uma vantagem??, dizem.Essa vantagem Christian não tem, pois o pai é de uma equipe concorrente. "Mas nos divertimos muito. Ele sempre vai ao meu box saber como estamos e trocamos idéias, sem ciúmes. No fim, um ajuda o outro. E eu, se não puder vencer, torço para meu companheiro (Felipe Maluhy). Depois, para os pilotos do time dele (Rodrigo Sperafico e Popó Bueno).??Wilson tem longa experiência na Stock, enquanto o Christian é estreante. Mesmo assim, o pai não dá muito conselho ao filho. "Quando ele andou pela primeira vez na Stock (num teste em dezembro passado), fez várias perguntas e expliquei muitas coisas. Agora, que já conhece o carro, Christian sabe o que tem de fazer.?? Apesar da cordialmente, uma aposta acirra a disputa entre os dois. "No fim do ano, quem se sair pior pagará o jantar para o outro??, conta Christian.Na corrida de hoje, Cacá Bueno, companheiro de Tiago na Action Power, vai tentar aumentar ainda mais sua vantagem na liderança. Ele tem 82 pontos e seu mais próximos perseguidor, Giuliano Losacco, 39. Antes da Stock, às 11 horas será disputada a 7ª etapa da TC 2000, categoria argentina que corre pela primeira vez no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.