Renault ainda está bem abaixo das rivais, diz Alonso

Piloto espanhol afirma que equipe precisa evoluir para acompanhar o ritmo de Ferrari e McLaren

REUTERS

21 de fevereiro de 2008 | 10h04

O bicampeão mundial de Fórmula 1 Fernando Alonso minimizou as chances da equipe Renault de brigar com Ferrari e McLaren pelas primeiras posições no Grande Prêmio da Austrália, que abre a temporada no próximo mês. O espanhol, falando à imprensa local durante período de testes em Barcelona, disse que a BMW-Sauber foi quem mais o impressionou e pode ser a grande surpresa em Melbourne no dia 16 de março. Alonso também defendeu seus compatriotas das acusações de racismo, após o ex-companheiro de McLaren Lewis Hamilton ter sido alvo de xingamentos de torcedores espanhóis durante testes no circuito da Catalunha, neste mês. "Estamos bastante atrás", disse Alonso nesta quinta-feira, segundo o site do jornal As. "Não estamos em condição de lutar por nada importante neste momento", afirmou. "Pensar no pódio [em Melbourne] seria otimista demais neste momento... hoje, pensando friamente sobre isso, chegar ao pódio é um sonho." Alonso disse que a Ferrari esta à frente das rivais, com McLaren e BMW-Sauber logo em seguida. A Renault estaria no grupo seguinte, com Williams e Red Bull. "Mas tudo muda muito rapidamente na Fórmula 1", acrescentou Alonso. "Duas ou três semanas atrás a BMW estava um pouco atrás, nós estávamos próximos deles. Agora eles estão bem perto da McLaren." A BMW-Sauber foi vice-campeão em 2007, após a McLaren ter sido excluída do Mundial de Construtores por envolvimento em espionagem. De acordo com Alonso, o maior problema da Renault é a aerodinâmica do carro. O bicampeão, que deixou a McLaren para voltar ao time francês onde conquistou os títulos de 2005 e 2006 neste ano, a equipe não deve conseguir largar entre os 10 primeiros colocados. Perguntado se ele estava sendo pessimista demais, ele respondeu: "Não. Eu apenas quero minimizar a euforia que vejo na mídia."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Fernando AlonsoRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.