Dani Cardona/Reuters
Dani Cardona/Reuters

Renault confirma Petrov e apresenta carro para 2010

R30 traz de volta o preto e amarelo usado pela montadora em sua primeira passagem pela Fórmula 1

AE, Agencia Estado

31 de janeiro de 2010 | 14h50

A equipe Renault desfez dois mistérios neste domingo em Valência. A escuderia francesa confirmou o russo Vitaly Petrov como companheiro do polonês Robert Kubica nesta temporada e apresentou o carro que será utilizado pelos pilotos, com uma pintura diferente da utilizada nos últimos anos, abandonando o branco, amarelo e alaranjado. A escuderia se manteve na categoria graças a sociedade com a Genii Capital.

Petrov, primeiro russo a correr na categoria, vai substituir o francês Romain Grosjean, que assumiu um dos carros da Renault após a demissão do brasileiro Nelsinho Piquet durante a última temporada. O outro piloto já estava definido e será Kubica, que entra no lugar do espanhol Fernando Alonso, que se transferiu para a Ferrari.

Petrov tem 25 anos e participava da GP2 desde 2006. No ano passado, ele foi vice-campeão da categoria, vencida pelo alemão Nico Hulkeberg, que será companheiro de Rubens Barrichello na Williams. Ele será o primeiro piloto russo a competir na Fórmula 1.

O chinês Ho-Pin Tung será o terceiro piloto do time. O belga Jerome d'Ambrosio e o checo Jan Charouz também farão parte da equipe, como pilotos reserva.

Com a definição da Renault, apenas duas vagas estão indefinidas na categoria para 2010. A USF1 e a Campos, equipes novatas na Fórmula 1, só definiram um dos pilotos para a temporada.

O novo modelo da Renault foi apresentado por Petrov e Kubica. O R30 tem as cores amarela e preta, que foram as mesmas utilizadas pela equipe francesa entre 1978 e 1985, quando a escuderia participou pela primeira vez da Fórmula 1. E assim como McLaren e Sauber, o carro possui uma longa cauda localizada acima da tampa do motor, que lembra uma barbatana de tubarão.

Tudo o que sabemos sobre:
fórmula 1RenaultVitaly Petrov

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.