Renault festeja com champanhe francês

A Renault passou o fim de semana dizendo que não havia festa preparada para o possível título de Fernando Alonso, mas o champanhe francês e a música brasileira no box da equipe ao final do Grande Prêmio do Brasil denunciaram que a expectativa era da conquista em Interlagos. Até a última volta, no entanto, ninguém se atreveu a comemorar. O silêncio era total. A bandeira quadriculada para Alonso era a senha que todos esperavam. Ao som da Aquarela do Brasil, de Ari Barroso, e de Mas Que Nada, de Jorge Ben, a equipe extravasou a alegria pelo seu primeiro campeonato ao lado do carro reserva de Alonso. ?O título foi um trabalho de equipe. Estão todos de parabéns?, dizia o chefão Flávio Briatore. A festa rolou mesmo sem a presença do mais jovem campeão da história da Fórmula 1, ocupado com a entrevista coletiva obrigatória dos pilotos que vão ao pódio. Numa cena de pura descontração, integrantes da equipe, eufóricos após goles generosos de champanhe, posaram para uma foto amontoados uns sobre os outros e com uma placa de ?campeão do mundo?. No auge da festa, um grupo de mecânicos da McLaren invadiu o box da Renault e surpreendeu os vizinhos com um banho de champanhe. A trilha sonora da festa incluiu ainda hip hop americano e, como homenagem ao espanhol, a música ?Fernando?, hit dos anos 70 do grupo Abba. ?Vamos comemorar a noite inteira. Hoje é dia de festa, de muita festa?, avisou o mecânico Florian Maudry, enquanto exibia uma enorme placa que dizia ?Bravo, Fernando, campeão mundial de 2005?. A programação dos mecânicos da Renault previa uma noitada quente numa boate do centro de São Paulo. Diretores da equipe e Alonso não confirmaram onde fariam sua festa. Para Patrick Favre, um dos diretores da equipe, ?o ótimo trabalho de todo um ano foi recompensado? com o terceiro lugar de Alonso em Interlagos. Flávio Briatore foi cumprimentado por Bernie Ecclestone, presidente da Formula One Management (FOM), por Ron Dennis, chefe da rival McLaren, e por Norbert Haug, da Mercedes-Benz. ?Estou super, super feliz?, disse um bem-humorado Ecclestone, andando a passos rápidos para o pódio. Briatore respondeu à sua maneira a pergunta se era especial ser campeão mundial com um piloto tão jovem. ?Especial é ser campeão, não importa se o piloto é jovem ou velho?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.