Renault nega interesse em usar motor padrão na F-1

Ferrari, McLaren, BMW e Toyota também são contra medida sugerida pelo presidente da FIA, Max Mosley

AE-AP, Agencia Estado

10 de dezembro de 2008 | 13h28

A Renault negou nesta quarta-feira os boatos de que apóia o uso de motores padrão na Fórmula 1. A proposta é uma das bandeiras de Max Mosley, presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), para reduzir os custos das equipes.De acordo com a entidade máxima do automobilismo, cinco equipes já mostraram interesse na idéia de um único projeto de propulsores para a categoria. Surgiram, então, especulações de que a Renault estaria ao lado das independentes Williams, Force India, Red Bull Racing e Toro Rosso na lista de escuderias que apóiam a medida."A Renault gostaria de esclarecer que as posições da equipe e da montadora estão em completo acordo com as da Fota [associação das equipes da Fórmula 1", disse o time, em nota oficial. A Fota, liderada por Ferrari, McLaren, BMW e Toyota, tem se declarado contra o uso dos motores padrão.A medida, se aprovada, terá início na temporada de 2010. Max Mosley já anunciou que a Cosworth, tradicional fabricante britânica de motores, apresentou o projeto de um propulsor que pode reduzir em até dois terços o custo das equipes com a peça. O corte dos gastos é uma batalha antiga da FIA, e conta com o apoio das equipes, sobretudo após a saída da Honda da categoria.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Renaultmotor padrão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.