Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Renault nega que motor seja razão para mau rendimento da Red Bull

Fornecedora se defende após críticas da escuderia

Estadão Conteúdo

25 Março 2015 | 09h45

Fornecedora de motores da Red Bull, a Renault decidiu se defender das críticas da parceira, que apontou os problemas nas unidades de potência como razão para o desempenho ruim da equipe no GP da Austrália, na abertura da temporada 2015 da Fórmula 1. Embora tenha reconhecido que possa ter dado um passo para trás, a fabricante francesa insistiu que a Red Bull também precisa melhorar outros aspectos do seu carro.

"Precisamos trabalhar juntos para entender os nossos problemas, tanto no motor como no chassi. Os nossos números mostraram que o déficit de tempo de volta entre Red Bull e Mercedes em Melbourne foi igualmente dividido entre as questões de pilotagem, desempenho do motor e do chassi. É portanto, o pacote global que precisa de alguma ajuda e estamos trabalhando com a equipe para seguir em frente", disse Cyril Abiteboul, diretor geral da Renault.

No GP da Austrália, completamente dominado pela Mercedes, a Red Bull teve desempenho ruim, com o russo Daniil Kvyat mal conseguindo largar. Enquanto isso, o australiano Daniel Ricciardo terminou a prova em um modesto sexto lugar, não conseguindo ultrapassar o brasileiro Felipe Nasr, da Sauber, o que causou muita insatisfação nos dirigentes da equipe.

Abiteboul acredita que no GP da Malásia, no próximo fim de semana, a Red Bull terá desempenho melhor. "Nós estivemos particularmente agressivos no desenvolvimento e devemos ver os resultados com muito mais clareza na Malásia, especialmente desde que tivemos a oportunidade de refinar o motor usando os dados da Austrália. O trabalho ainda está em andamento, mas agora estamos em um lugar completamente diferente de onde nós terminamos em Melbourne", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Red Bull Renault Velocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.