Tolga Bozoglu/EFE
Tolga Bozoglu/EFE

Renault se desculpa e paga indenização a Piquet

Montadora reconhece erro ao acusar o tricampeão de Fórmula 1 e seu filho de calúnia

AE-AP, Agência Estado

07 de dezembro de 2010 | 14h23

A família Piquet conseguiu vencer uma batalha que travava com a Renault na Justiça por difamação. A equipe francesa concordou em pagar uma "substancial quantia de indenização" a Nelsinho e seu pai, Nelson, dois ex-pilotos de Fórmula 1, depois de afirmar que eles mentiram ao acusarem a escuderia de orquestrar uma batida proposital do primeiro deles no GP de Cingapura do Mundial de 2008.

Na ocasião, o acidente envolvendo Nelsinho Piquet foi decisivo para a vitória do espanhol Fernando Alonso, então seu companheiro de equipe, na prova asiática.

No ano passado, depois de confessar que Nelsinho bateu de forma proposital em Cingapura para beneficiar o espanhol, a Renault emitiu um comunicado dizendo que Nelson Piquet e seu filho mentiram sobre o caso e tentaram chantagear os chefes da equipe.

Nesta terça-feira, porém, a escuderia francesa veio a público para se desculpar com a família Piquet e retirar o que disse anteriormente. "O time aceita que as alegações feitas por Nelson Piquet Júnior não foram mentirosas, e também que nem ele nem seu pai inventaram tais alegações a fim de chantagear a equipe. Assim, as sérias acusações daquele comunicado são totalmente falsas e infundadas, e nós as retiramos", disse a Renault durante audiência.

Em seguida, a escuderia prometeu: "Gostaríamos de pedir desculpas sem reservas ao senhor Piquet Júnior e seu pai pelo stress e pelo constrangimento causado. Como marco da sinceridade do nosso pedido de desculpas e arrependimento, nós concordamos em pagar uma quantia substancial de indenização por calúnia, bem como seus custos judiciais, e nos comprometemos a não repetir tais alegações em qualquer momento no futuro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.