Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Resignado, Button faz planos na BAR

A pergunta mais natural de se fazer a Jenson Button, depois de tudo o que se passou entre ele, a BAR, e o contrato assinado com Frank Williams é: como você acha que uma equipe reage ao ouvir de seu piloto, textualmente, que lamenta ter de ficar onde está, como você fez? Em entrevista exclusiva à Agência Estado, respondeu: "Eles compreenderam minha reação. Se a Ferrari lhe convida para pilotar é normal que você queira ir para lá e, se não der certo, você irá lamentar." O que o sempre acessível Button não levou em conta é que Ferrari e Williams, atualmente, são times bem distintos, em termos de resultados, ao menos. "Disse e digo que gostaria de trabalhar para a Williams em 2005. Não deu certo? Ok, vamos sentar aqui na BAR e discutir como melhor disputar a próxima temporada", afirma. O ambiente não ficou ruim depois de David Richards, da BAR, saber através da imprensa que ele havia assinado contrato com a Williams, tendo compromisso com a BAR para o campeonato do ano que vem. "Na Hungria, primeira prova depois de tudo vir à tona, tudo era muito estranho, mas depois os próprios resultados que obtivemos falam por si sobre nossa relação." Button foi terceiro na Itália, segundo na China e terceiro no Japão. No total, o jovem piloto inglês de 24 anos conquistou dez pódios até agora este ano. "A verdade é que você nunca está 100% contente onde está e, se chegar a esse ponto, começa a pensar no que é melhor para você no futuro." É pouco provável, mas não impossível: Button ser campeão do mundo em 2005. E como ele e Frank Williams declararam quarta-feira, "vamos trabalhar juntos em 2006", nesse caso o piloto deixaria a BAR depois de conquistar o título. "É verdade, a BAR disputará excelente Mundial ano que vem, mas não acho que é o caso de eu ficar pensando quando vou deixar o time, e sim em ver o que de melhor posso fazer como piloto." Sem ressentimentos - Parece haver mágoa de Button com David Richards, diretor geral da BAR. E teria levado Button até a renunciar a possibilidade de vencer corridas na BAR para transferir-se para a Williams. "Não quero falar sobre o motivo de desejar sair da BAR. Apenas digo que, levando em conta os acontecimentos todos, minha relação com Richards é muito boa." A razão principal é que Richards lhe prometeu, verbalmente, determinada soma em dinheiro por ponto conquistado. Mas logo ficou claro que a BAR marcaria muitos pontos e mudou de idéia. Button somou impressionantes 85 pontos nas 17 etapas disputadas, não saiu euro algum. "Posso apenas dizer que não pretendia ir para a Williams porque iria ganhar mais." Outra curiosidade a respeito da história de Button na Fórmula 1 é que ele deseja tanto retornar para a Williams, mas a equipe o dispensou no fim de 2000, sua primeira temporada na competição, onde demonstrou enorme competência. "Eu já sabia que não ficaria lá. Desde o princípio me informaram que eu estava tampando um buraco, para a chegada de Juan Pablo Montoya no ano seguinte." Não há mágoa na relação com Frank Williams. "Até lhe agradeço porque me deu a chance de aparecer na Fórmula 1 e mostrar meu trabalho."

Agencia Estado,

22 de outubro de 2004 | 09h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.