Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Resultado em Xangai ajudou Schumacher

Michael Schumacher definiu assim sua conquista, neste domingo, no GP do Japão: "Histórica. Pole position e vitória no mesmo dia". A ameaça de que o tufão 22 passasse por Suzuka no sábado transferiu para domingo a sessão de classificação. Assim, o piloto alemão da Ferrari fez a festa completa. Depois de três etapas sem vencer, uma eternidade para o seu padrão de performance, o heptacampeão do mundo voltou a dominar a competição bem ao seu estilo, ou seja, deixando todos muito atrás. "É...você tem razão, faz muito tempo mesmo", disse Schumacher, em tom irônico, ao repórter italiano que o perguntou sobre a sensação de voltar a ser o primeiro depois de "tanto tempo". O alemão não venceu as provas da Bélgica, dia 29 de agosto, ocasião em que definiu a conquista do seu sétimo título mundial, da Itália e da China. "Eu queria mesmo ganhar. Esta é a corrida de casa da Bridgestone, que trabalhou duro conosco para obtermos tanto sucesso", afirmou Schumacher, citando a fornecedora dos pneus da Ferrari.Schumacher reconheceu que o mau desempenho na etapa anterior, em Xangai, acabou por favorecê-lo. A ordem de entrada na pista para o treino de pré-classificação é a da corrida que o antecedeu. Assim, Rubens Barrichello, vencedor na China, foi o primeiro a "varrer" os seletivos e perigosos 5.807 metros de Suzuka, quando ainda havia pontos de água. Schumacher foi apenas o 12º a sair dos boxes - resultado que conseguiu em Xangai -, o que o ajudou a ser o segundo mais veloz e, como consequência, ser o penúltimo a entrar na sessão de classificação, logo em seguida, já que a ordem de entrada na pista se inverte. Aí, mais uma vez, encontrou a trilha mais seca do que seus concorrentes e fez a pole. "Os horários em que fui para a pista me ajudaram a ser veloz, conseguir a pole e, depois, vencer", admitiu Schumacher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.