Riamburgo está pronto para sua estréia no Rally Dakar

Há 22 anos no esporte a motor - com corridas de moto, buggy e carro -, o piloto cearense Riamburgo Ximenes, de 40 anos, embarca no dia 1º de janeiro para a maior aventura de sua vida. Ele disputará, pela primeira vez, o Ralli Dakar, o mais famoso e perigoso do mundo, com 8.696 quilômetros, passando por seis países: Portugal, Espanha, Marrocos, Mauritânia, Mali e Senegal. A largada será no dia 6 de janeiro, em Lisboa. Ao seu lado no carro, terá o experiente navegador Lourival Roldan, que já participou de três edições da prova e concluiu todas. Apaixonado pelas provas de cross-country, ?pelo desafio de não saber o que vem pela frente?, Riamburgo é conhecido como o ?rei da areia?. Enquanto a maioria dos pilotos teme as dunas do deserto, ele anda seguro na areia. ?O maior prazer da minha vida é andar na areia?, revela o empresário.O sonho de disputar o Rally Dakar surgiu em 1999, quando Riamburgo venceu a categoria Geral do Rali dos Sertões, o maior da América Latina. De lá para cá, todo dinheiro que ganhou com o rali ele começou a guardar e aplicar para investir na maior prova de off-road do mundo.Ele, inclusive, já foi ao deserto do Saara três vezes. Não como competidor, mas com carro de passeio, para fazer contatos com outras equipes e entender mais sobre a logística da prova. ?Você tem de se preparar bastante, porque a prova já é uma aventura. Duas aventuras não combinam?, acredita. Na preparação, Riamburgo inclui musculação e corrida. Ao acompanhar a prova de perto, ele ficou extasiado. ?Dizem que quem vai pela primeira vez ao Dakar recebe um chamado do deserto. O lugar tem uma energia fantástica?, conta.Seu plano era disputar o Dakar no ano passado. Mas ele perdeu o prazo de inscrição, porque estava negociando com patrocinadores e equipes. Esse ano, correu para fazer sua inscrição. Ele fez no dia 1º de junho e uma semana depois, não havia mais vaga. ?Com ajuda dos meus patrocinadores e com o dinheiro que tinha guardado, garanti a minha inscrição. Está tudo pago para evitar estresse?, explica. Em janeiro, Riamburgo convidou Lourival Roldan, que já foi navegador de Klever Kolberg, para ser seu companheiro. ?Como o Lourival vive de competições e rali, prometi a ele que se a gente ganhar dinheiro, o lucro será repartido ao meio. E se tiver prejuízo, ele será pago do mesmo jeito. Ele topou?, diz Riamburgo, que trabalha em Fortaleza no setor de varejo de confecção. A dupla contratou a equipe portuguesa Red Line, que dará todo o suporte técnico e mecânico, com três caminhões e um carro de apoio. O carro é alugado - uma Pajero 3.2/Mitsubishi. E o investimento para prova varia, segundo Riambrugo, de 150 mil a 1 milhão de reais. ?Com menos que isso, ninguém consegue ir?, garante o cearense.Riamburgo e Lourival estão treinando juntos há três meses. Os treinos em Fortaleza, a maior parte em trechos com dunas, são feitos entre a Praia do Cumbuco e Jericoacoara, num percurso de 350 quilômetros. ?Fazemos esse percurso em cinco horas?, diz o piloto. O que mais apavora o piloto no maior rali do mundo? ?Vejo o Dakar com naturalidade. Não quero subestimar o deserto. Mas a minha idéia é chegar lá e achar que foi mais fácil do que me preparei?, fala ao lembrar que na prova o índice de abandono é de 60%. Nessa edição, estão inscritos 525 veículos, sendo 190 carros. Para dar sorte, a família de Riamburgo estará em peso na largada, em Lisboa. ?Vai minha mãe (Tereza), minha mulher (Ana Maria), minhas filhas gêmeas (Marília e Mariana) e amigos. Serão vinte pessoas só de Fortaleza?, afirma ele. Quatro dias antes da largada, Riamburgo completa 41 anos, mesmo dia em que suas filhas completarão dez anos. E o que não faltará antes, durante e depois do rali é cachaça. Um dos patrocinadores do piloto é a Ypioca - parceria que já dura dez anos. ?Vou despachar caixas de cachaça e fazer a alegria dos gringos em Lisboa?, brinca Riamburgo, ao lembrar que após cada etapa de um dia exaustivo de rali, bebe um pouco. ?Adoro cachaça. Bebo para tirar o estresse e ?espalhar o sangue?, como a gente diz aqui no Nordeste.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.