Ricardo Zonta já sonha com a Cart

A maior conquista que o título da Telefonica World Series (TWS) permitiu a Ricardo Zonta foi a recuperação da sua autoconfiança como piloto. Foi o que ele disse nesta quinta-feira em São Paulo, em entrevista coletiva. "Quando deixei a Fórmula 1 (ano passado), todos, assim como eu também, duvidavam de mim. Eu sempre obtive resultados nas categorias onde passei, enquanto na Fórmula 1 não." Das 14 corridas da TWS, realizadas em sete etapas, Zonta venceu 7. "Hoje sinto-me muito mais preparado para seguir adiante de novo." Os próximos passos do piloto de Curitiba, de 26 anos, que depois de surgir como novo grande talento brasileiro perdeu-se na equipe BAR de Fórmula 1, em 1999 e 2000, pode ser a Cart, em breve conduzida por ninguém menos de Bernie Ecclestone. "Estou conversando com a Newman-Haas", disse ainda em Valência, Espanha, domingo, quando definiu o título da TWS. Mas existe a possibilidade também de Zonta permanecer na categoria, que no seu segundo ano estará ainda mais profissionalizada e os investimentos vão crescer. "Vários pilotos experientes permanecerão vários anos na competição", diz Zonta. O seu jovem companheiro na equipe Gabord, o brasileiro Tuka Rocha, de 19 anos, comentou nesta quinta-feira: "Luca Badoer (piloto de testes da Ferrari), Roberto Pupo Moreno e Pedro Lamy estão tentando entrar na TWS." Outros nomes de pilotos de comprovada capacidade que estão no campeonato são o inglês Justin Wilson, campeão da Fórmula 3000 ano passado, Nicolas Minassian, que correu pela Chip Ganassi na Indy este ano, Franck Montagny, campeão em 2001 da Nissan 2000, dentre tantos outros. Todos recebendo para correr. "Cada vez menos a TWS terá pilotos que levem dinheiro para correr", disse Tuka Rocha. Luiz Carlos Pimentel é diretor de marketing da Telefonica. Ele destacou no encontro com a imprensa, nesta quinta-feira, algumas das vantagens da categoria promovida pela empresa, com contrato para mais dois anos. "Na Fórmula 3000 gasta-se 800 mil euros por carro por temporada, na Fórmula 3 inglesa, 500 mil, enquanto na TWS, 380 mil euros." E conforme afirmou, os dados comprovam a informação, a TWS só não é mais rápida que a Fórmula 1. O envolvimento da Telefonica com o esporte a motor é crescente. "Acabamos de acertar o patrocínio do Paris-Dacar, em substituição a Total." Com carros produzidos pela Dallara italiana, motor Nissan V-6 de 415 cavalos e pneus slick das dimensões dos usados na Fórmula 1, a TWS quer consolidar-se como categoria de monopostos para pilotos profissionais, a exemplo da Fórmula 1, Cart e IRL. Os brasileiros poderão conhecer com mais detalhes a categoria que Zonta foi campeão dias 1º de dezembro em Curitiba e dia 8 em São Paulo. As duas últimas provas da temporada serão disputadas no País. "O objetivo da RPM (promotora da TWS) é ter um carro equipado como motor V-8 de 600 cavalos em 2004 e não de ratificar sua condição de categoria top e não degrau para a Fórmula 1", destaca Geraldo Rodrigues, empresário de Ricardo Zonta e representante da RPM no Brasil. Ele lembra ainda que baseada na proposta dos idealizadores da Premier, competição que teria as equipes patrocinadas pelos clubes de futebol mais importantes do mundo, a TWS já conta com três times apoiando escuderias. A de Zonta, por exemplo, tem as cores do Barcelona. "Na corrida na cidade, havia 75 mil pessoas nas arquibancadas", falou Zonta. Ele venceu as duas provas naquela etapa, para delírio da fanática torcida do Barcelona.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.