Claude Paris/AP
Claude Paris/AP

Ricciardo celebra 'novo desafio' na Renault e diz querer mudar rotina

Australiano afirma ser necessário mudar de ares e revela que sentia frustração pelos rumos na carreira

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2018 | 15h26

O australiano Daniel Ricciardo falou nesta quinta-feira sobre sua saída da Red Bull ao fim da temporada da Fórmula 1. Às vésperas do GP da Bélgica, que será disputado neste domingo, o piloto explicou que o desejo de novos desafios o levou a deixar a equipe austríaca para aceitar a proposta da Renault, com quem assinou por duas temporadas.

"Era a hora para um novo e estimulante desafio", declarou. "A chave (para a decisão) é que este é o momento para uma mudança. A primeira parte do ano foi de um começo fantástico para mim, com muitos pontos positivos. Mas, ainda assim, em alguns momentos, por diversas razões, eu me sentia frustrado comigo mesmo. Estava tentando entender o porquê. Quando percebi, a mudança era a resposta que eu precisava."

Ricciardo entrou na Fórmula 1 em 2011 pela Toro Rosso e em 2014 foi promovido à Red Bull. Naquele ano, terminou na terceira colocação do Mundial de Pilotos, resultado que repetiu em 2016 e que é o melhor de sua carreira. Agora, ele deixa aquela que é considerada a terceira força da categoria para reforçar uma equipe que ainda luta por melhores resultados.

A decisão de Ricciardo causou certa surpresa em parte da imprensa internacional, que especulou que ela teria sido tomada por um suposto favorecimento a Max Verstappen dentro da Red Bull. O australiano negou qualquer mágoa com a equipe, mas admitiu o desgaste com a rotina pelo longo período por lá.

"Eu nunca me senti não amado, não era este o caso. Realmente, não houve outro fator que não, talvez, a rotina. Nós não temos um trabalho comum ou vamos a um escritório todo dia. Mas eu acho que depois de anos indo para a mesma fábrica, tendo a mesma rotina, senti que a diversão com o esporte estava ficando um pouco amortecida. Senti que a rotina estava causando isso", explicou.

Ricciardo também descartou qualquer problema de relacionamento com Verstappen ou os dirigentes da Red Bull. "Para ser claro, não houve qualquer briga, animosidade com alguém na equipe ou com os chefes. Eu sempre disse que estava perto de fazer algo, não necessariamente com a Red Bull. E nada mudou da noite para o dia com esta decisão."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.