Rio admite buscar outro local para autódromo

O local onde está prevista a construção do autódromo era usado como campo de instrução militar

TIAGO ROGERO, Agência Estado

02 de maio de 2013 | 11h37

RIO - O secretário estadual de Casa Civil do Rio, Régis Fichtner, afirmou na manhã desta quinta-feira que, se não houver uma solução para a contaminação do terreno onde será construído o novo autódromo da cidade, outra área terá de ser encontrada. O local onde está prevista a construção do autódromo, uma área do exército em Deodoro, na zona oeste do Rio, era usado como campo de instrução militar. Em 2012, um soldado morreu na área após a explosão de um artefato.

"Se não houver solução, vamos ter de procurar outro terreno", disse o secretário. A construção do novo autódromo foi uma condicionante para a demolição do antigo, onde está sendo construído o Parque Olímpico dos Jogos de 2016. "Só realizaremos a licitação se tivermos a garantia de governo federal e ministério da Defesa de que a área está completamente livre de risco", afirmou Fichtner.

A obra será financiada pela União, mas coube ao governo estadual a execução do projeto. A licitação, inicialmente, estava marcada para junho. "Vamos fazer a licitação com base no projeto que está sendo desenvolvido pelo ministério do Esporte, mas ainda não chegou ao governo do Rio", disse o secretário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.