Alex Silva| Estado
  Alex Silva| Estado

  Alex Silva| Estado

Rio faz investida na F-1 e oferece R$ 250 milhões para assegurar GP do Brasil

Candidatura carioca promete o triplo do que São Paulo pretende pagar para renovação do contrato

Ciro Campos e Felipe Rosa Mendes , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Alex Silva| Estado

A cúpula da Fórmula 1 recebeu nas últimas semanas uma proposta oficial do Rio de Janeiro com o cronograma de depósitos bancários referentes às taxas e apresentação de garantias financeiras para assegurar a assinatura do contrato para a realização do GP do Brasil na cidade a partir de 2021, em Deodoro. A candidatura carioca promete à categoria repassar até US$ 60 milhões por ano (R$ 250 milhões), o triplo do que São Paulo oferece na negociação para renovar o contrato de realização da prova em Interlagos. O acordo termina no fim de 2020.

O Estado apurou que a proposta encaminhada pelo Rio prevê até março do ano que vem o pagamento da primeira parcela. Depois, até junho, deverá ser apresentada carta de crédito com a garantia bancária do repasse do restante até os US$ 60 milhões. Os valores oficiais dessas duas operações são mantidos em sigilo. O prazo está fixado até o fim do semestre, pois para julho está marcada a reunião que define o calendário das provas de 2021. O retorno da F-1 sobre a proposta do Rio deve ser dado em janeiro. Vale lembrar que o Rio ganhou corpo para brigar com São Paulo quando o presidente da República, Jair Bolsonaro, estava de mãos dadas com o governador do Rio, Wilson Witzel. Essa parceria política não existe mais.  

Os US$ 60 milhões anuais prometidos pelo Rio à F-1 incluem a taxa de promoção do GP (promoter fee), mais a renda com ingressos VIP e a participação na lucro da venda de produtos oficiais. Para bancar o valor, a empresa vencedora da licitação para construir o autódromo, a Rio Motorsports, aposta em verba de R$ 302,4 milhões, aprovada no fim de novembro pela Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro e virá de renúncia fiscal.

O recurso será encaminhado à Rio Motorsports em quatro parcelas anuais até 2022 de forma não cumulativa. Em 2019, o primeiro repasse combinado foi de R$ 30 milhões, depois sobe nos dois anos seguintes para R$ 60,6 milhões e, por fim, chegará a R$ 151,2 milhões. Esses detalhes estão no projeto intitulado "Fórmula 1 Rio de Janeiro de 2021-2030", aprovado pela Lei de Incentivo ao Esporte Estadual. O dinheiro viria de empresas interessadas em repassar até 3% do ICMS para recolhimento para o projeto.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Para cada ano de realização da prova, a estimativa é de que o impacto direto e indireto para a economia do Estado do Rio de Janeiro chegue a US$ 160 milhões, cerca de R$ 670 milhões ao câmbio atual
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nota oficial, secretaria de Esporte do Rio

"Para cada ano de realização da prova, a estimativa é de que o impacto direto e indireto para a economia do Estado do Rio de Janeiro chegue a US$ 160 milhões, cerca de R$ 670 milhões ao câmbio atual, valor baseado em etapas já ocorridas no País e no mundo", disse em nota em enviada ao Estado a Secretaria de Esporte do Rio. A Rio Motorsports informa que, por ter um contrato de sigilo com a F-1, não pode comentar sobre as negociações em andamento.

Durante a última etapa do campeonato deste ano, em Abu Dabi, o líder do consórcio que tenta levar a prova ao Rio, JR Pereira, o secretário municipal de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, e o senador Flavio Bolsonaro conversaram com o chefe da categoria, Chase Carey. Na ocasião, ainda foi assinado um termo que garante ao Rio exclusividade nas negociações com a F-1 até março de 2020.

Em nota, a prefeitura do Rio informou que os representantes da cidade tiveram um encontro em Abu Dabi com o piloto Lewis Hamilton, da Mercedes. Duas semanas antes, o hexacampeão mundial havia criticado a construção do novo autódromo do Rio por obrigar a desmatar a Floresta do Camboatá. Nessa conversa, o piloto inglês soube das contrapartidas ambientais do empreendimento, como o projeto de replantar seis árvores para cada espécie que for derrubada. Procurada pela reportagem para comentar sobre a reunião, a Mercedes não retornou o contato.

O autódromo do Rio, que ainda não existe, tem previsão de custar R$ 700 milhões. Os recursos viriam da iniciativa privada. A licitação para a obra está suspensa no momento, pois aguarda a aprovação do estudo do impacto ambiental. A cidade assinou em outubro contrato para receber a MotoGP a partir de 2022 por cinco anos.

SÃO PAULO 

A capital paulista promete se esforçar para manter a prova. Com o intuito de renovar com a F-1 para o período de 2021 a 2030, São Paulo pretende fazer a categoria aceitar receber taxa de promoção anual de US$ 20 milhões (R$ 81 milhões). A intenção é obter o recurso com investidores privados. O obstáculo principal é o valor, abaixo dos US$ 35 milhões cobrados para a maioria das outras etapas do ano. Outra questão é resolver as pendências referentes a anos anteriores, quando São Paulo não teve recursos para pagar a taxa. Desde 2017 ela não é paga.

No GP do Brasil em novembro, o governador João Doria afirmou que tinha reunião em dezembro com o comando da F-1 para tratar sobre o novo contato. A reunião foi desmarcada por desencontro de agendas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Estudo aponta que autódromo do Rio causará 31 impactos ambientais

Local escolhido para construção da pista conta com Áreas de Preservação Permanente e espécies de fauna e flora em risco de extinção

Ciro Campos e Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2019 | 16h14
Atualizado 26 de dezembro de 2019 | 19h09

O projeto de construção do autódromo no Rio vai causar 31 impactos ambientais na Floresta do Camboatá, local no bairro de Deodoro escolhido para sediar o circuito de Fórmula 1. A floresta conta com Áreas de Preservação Permanente (APP) e espécies da fauna e flora em risco de extinção, de acordo com o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o seu Relatório de Impacto Ambiental (Rima), aos quais o Estado teve acesso.

Os documentos foram elaborados pela empresa de consultoria ambiental Terra Nova, contratada pela vencedora da licitação para erguer o autódromo, a Rio Motorsports. O EIA-Rima foi entregue ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão que avalia projetos com possíveis impactos ambientais no Rio, no dia 10 de novembro. Ao Estado, o Inea informa que a análise do estudo pode levar até 12 meses. Só após a eventual aprovação é que a empresa poderá iniciar as obras. Mas não há esse prazo na negociação. O circuito teria de ficar pronto no primeiro semestre de 2021.

pesar dos impactos apresentados no EIA-Rima, os autores do estudo apontam conclusão positiva sobre a construção do circuito no local. “Conclui-se, com base nos estudos apresentados, que a realização do empreendimento é altamente positiva e se constitui numa oportunidade única de desenvolvimento local e regional, trazendo significativo progresso social, econômico e ambiental ao local.”

Na pesquisa feita in loco pela consultoria, entre agosto e novembro, foram identificados 20 impactos ambientais associados à fase de construção e 11 à de utilização. Alcançam fauna, flora e até aspectos sociais, como aumento da poluição sonora nos arredores do autódromo.

Segundo o estudo, quatro espécies da flora local no Camboatá estão ameaçadas de extinção: grápia, jacarandá-da-Bahia, braúna e jequitibá. Quanto à fauna, são cinco espécies correndo riscos: jacaré-do-papo-amarelo, saíra-sapucaia, trinca-ferro, capivara e mão-pelada. 

A área ainda corresponde a um corredor ecológico, por facilitar o “trânsito” de diversas espécies de animais e plantas entre o Maciço de Gericinó e a Serra do Mendanha. Estas e outras espécies – foram identificadas 290, entre fauna e flora –, integram uma região que apresenta duas áreas de preservação permanente, conhecidas como Faixas Marginais de Proteção (FMP) dos Rios Calogi e Marangá, também localizadas dentro da floresta. Juntas, as duas APPs somam 9,4 hectares, de um total de 200 da Floresta do Camboatá. De acordo com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), do Rio, o fato de o projeto estar localizado em uma APP não impede sua aprovação.

O estudo aponta ainda a “supressão de aproximadamente 70 hectares de vegetação arbórea/arbustiva”. Segundo estudo do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, cada hectare conta com cerca de 1.000 árvores. Ou seja, a construção do autódromo resultaria na derrubada de 70 mil árvores. Há especialistas que apontam a queda de até 200 mil. O EIA-Rima não apresenta número específico. 

Para compensar estas perdas, é proposto um programa de reflorestamento focado em espécies da Mata Atlântica, o que prevê o plantio de seis árvores para cada uma derrubada. “Esse Programa se tornará na maior intervenção privada para a preservação da Mata Atlântica, em escala até hoje não realizada, pois o plantio dessas espécies se estenderá ao longo de todo o período de 35 anos de concessão do autódromo.”

O projeto já foi alvo de críticas por parte da ONG “SOS Floresta do Camboatá” e do Ministério Público Federal. “A Floresta de Camboatá é o único ponto remanescente de grande porte de Mata Atlântica em área plana na cidade. São aproximadamente 200 hectares, dos quais 114 cobertos por áreas naturais e regeneradas, representativa das Florestas Ombrófilas de Terras Baixas. Este tipo de vegetação é uma das mais ameaçadas dentre as formações florestais que compõem a Mata Atlântica. (...) A Floresta do Camboatá abriga o último remanescente carioca deste tipo de vegetação”, aponta o MPF na Ação Civil Pública que moveu contra o projeto, em maio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.