Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Rio Motorsports desiste de transmitir Fórmula 1 e abre caminho para Globo

Liberty Media, empresa dona da categoria, procurou a emissora carioca para reabrir negociações

Ciro Campos e Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

11 de novembro de 2020 | 20h31

A Rio Motorsports desistiu de transmitir as etapas da temporada 2021 da Fórmula 1. Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, o consórcio disse que tomou a decisão de abrir mão dos direitos devido "às incertezas" causadas "pela segunda onda de contágio por covid-19 na Europa".

Em setembro, a Rio Motorsports havia adquirido os direitos de transmitir os treinos e as corridas da F-1 de 2021 em um contrato de cinco anos de duração com a Liberty Media. O acordo incluía a exibição tanto em TV fechada quanto aberta e até transmissão via streaming.

Um mês antes, em agosto, o Grupo Globo anunciara publicamente que não iria renovar seu contrato de transmissão, encerrando uma parceria com a F-1 desde os anos 1980. A decisão abriu caminho para o consórcio, que vinha se aproximando da cúpula da principal categoria do automobilismo mundial também por seu interesse em receber o GP do Brasil, também a partir de 2021.

Nesta quarta, o consórcio anunciou que os planos de transmissão mudaram. "A Rio Motorsports comunica que decidiu por declinar da opção dos direitos de transmissão da Fórmula 1 no Brasil. A decisão foi tomada devido às incertezas com o calendário para a temporada 2021, provocadas pela segunda onda de contagio por COVID-19 na Europa", registrou, em comunicado.

"Diante do cenário, somado ao fato da possibilidade dessa nova onda se expandir para outros continentes, a Rio Motorsports reavaliou este investimento e abriu espaço para que a Fórmula 1 possa negociar diretamente com as empresas de televisão no Brasil."

Com a desistência, o consórcio abriu caminho desta vez para a Globo voltar a negociar com a F-1. O Estadão apurou que a Liberty Media procurou diretamente a Globo para retomar as negociações. É possível que o valor a ser acertado agora seja abaixo ao que era negociado anteriormente.

A Rio Motorsports já havia adquirido os direitos de transmissão da MotoGP e, como aconteceu com a F-1, recuou e desistiu do acerto. No caso da competição de motovelocidade, o consórcio comprou os direitos de exibição e os repassou a Fox Sports. Houve até um imbróglio no caso e o grupo Disney acabou adquirindo diretamente os direitos junto à Dorna, empresa proprietária da MotoGP. De acordo com a Disney, o Rio Motorsports não teria cumprido os termos do contrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.