Ron Dennis deixa F-1 e assume ramo de carros esporte

O vitorioso dirigente da equipe McLaren Ron Dennis encerrou nesta quinta-feira os seus 43 anos de Fórmula 1, entregando o controle completo dos assuntos de corridas para o novo chefe da escuderia, Martin Whitmarsh.

ALAN BALDWIN, REUTERS

16 de abril de 2009 | 11h57

A McLaren afirmou em comunicado que Dennis se tornará presidente-executivo da McLaren Automotive, efetivamente deixando o mundo dos grandes prêmios para comandar o novo negócio de carros esportivos da companhia.

"Eu admito que não sou sempre fácil de se lidar. Admito que sempre lutei duro pela McLaren na Fórmula 1", afirmou Dennis em nota.

"Eu duvido que Max Mosley ou Bernie Ecclestone ficarão insatisfeitos com a minha decisão. Mas ninguém me pediu para tomá-la. Foi minha decisão", acrescentou, referindo-se ao presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e ao empresário que comanda a Fórmula 1, respectivamente.

A carreira de Ron Dennis na Fórmula 1 é uma das mais bem-sucedidas da categoria, com sua equipe ganhando vários títulos com pilotos como Ayrton Senna, Alain Prost e Mika Hakkinen, antes de o dirigente cultivar o talento do atual campeão mundial, Lewis Hamilton.

Entretanto, ele teve atritos constantes com Mosley e Ecclestone em seus muitos anos de Fórmula 1.

O britânico, de 61 anos, já tinha anunciado, em janeiro, que estava se retirando do cargo de chefe de equipe, com Whitmarsh o substituindo no mês passado antes da primeira etapa do ano, o Grande Prêmio da Austrália.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.