Rosberg admite que precisa melhorar para vencer Hamilton

O alemão Nico Rosberg espera ser mais falado nos próximos dias na Fórmula 1 pelo seu bom desempenho na pista do que pelo diz. O piloto da Mercedes exibiu irritação no último fim de semana, quando foi realizado o GP da China, repreendendo seus engenheiros, além de ter acusado o inglês Lewis Hamilton, seu companheiro de equipe, de pilotar em ritmo lento para atrapalhá-lo. Nesta quinta-feira, porém, ele reconheceu que precisa melhorar seu desempenho.

Estadão Conteúdo

16 de abril de 2015 | 13h52

Hamilton teve um início sólido de temporada, lidera o Mundial de Pilotos e venceu oito das últimas dez provas, sendo duas das três realizadas em 2015. Já Rosberg ainda não ganhou neste ano é só triunfou em um das últimas 14 corridas.

"Ele está 17 pontos à frente e isso é um fato", disse Rosberg nesta quinta-feira. "Eu tenho de tentar recuperar os pontos o mais rápido possível e isso está claro", completou o alemão, que foi questionado se pode bater Hamilton neste domingo, no GP do Bahrein. "Sim, mas eu também pensei isso nas últimas duas corridas. Preciso melhorar".

Este fim de semana no Bahrein oferece uma boa chance a Rosberg. Ele foi o pole position no circuito de Sakhir nas duas últimas provas, o que Hamilton nunca conseguiu, embora tenha batido o alemão no ano passado para vencer uma prova emocionante.

Rosberg insiste que não há clima de animosidade com Hamilton, a quem acusou de atrapalhá-lo na prova anterior para que precisasse travar um duelo com o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari. "Nós discutimos o evento de domingo e depois tudo foi esclarecido entre nós", disse Rosberg, admitindo que pode ter dado uma vantagem psicológica a Hamilton com a sua reclamação pública.

"Talvez, porque eu estou aqui de pé e eu tenho que responder a todas estas questões", disse Rosberg. "Mas em outro momento eu faria isso novamente. Houve a necessidade de discutir as coisas, definitivamente, depois da corrida".

A amizade entre Rosberg e Hamilton, que vem desde o início de ambos no automobilismo, foi colocada em xeque no ano passado, após incidentes nos GPs de Mônaco e da Bélgica.

Apesar de garantir que o último desentendimento está resolvido, Rosberg defendeu mais uma vez os seus argumentos. "Não é uma opinião, eu estava afirmando fatos. Então, meus fatos ainda são os mesmos. Fatos são fatos", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.