Giuseppe Cacace / AFP
Giuseppe Cacace / AFP

Rubinho critica 'Casseta & Planeta' por piadas chamando-o de 'atrasado'

Ex-piloto de F-1 diz aceitar as brincadeiras, mas considera que elas não são verdadeiras pela carreira que teve no automobilismo

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2021 | 11h10

O piloto brasileiro Rubens Barrichello tratou de passar a limpo uma situação que parece ainda incomodá-lo. Ele comentou sobre as piadas de 'atrasado' que teve de ouvir durante boa parte da sua carreira na Fórmula 1. Reclamou do programa 'Casseta & Planeta', da Rede Globo, extinto em 2012, sobre o exagero. Barrichello deu a entender que considera essas críticas injustas. "O cara fazer piada com algo que não é verdade é um fator muito agressivo. Ficou 11 anos no ar... Você fica brincando com o negócio do 'atrasado' por que o cara chegou em segundo na F-1?", questionou Barrichello, em entrevista ao podcast "Mais Que Oito Minutos", do humorista Rafinha Bastos.

Rubens foi piloto da Ferrari entre 2000 e 2005, período no qual foi vice-campeão do mundo duas vezes, em 2002 e 2004. O piloto se tornou alvo das piadas do 'Casseta & Planeta' e de outros humoristas por quase sempre ficar atrás de seu companheiro de escuderia, Michael Schumacher, que era considerado o piloto número 1 pela equipe e o mais rápido do mundo, dono de sete títulos. No entanto, Barrichello conta ter se acostumado com as brincadeiras e até tirado proveito da condição.

"As pessoas têm o direito de fazer brincadeiras. Não posso ficar chateado com um tipo de brincadeira, porque se o País inteiro brincou com uma história, não tem muito jeito. É que poucos foram lá para verificar", opinou.

O piloto ainda fez um apelo. "Não vamos esperar eu morrer para falar que era bom acertador (de carro). Não é que quero que falem bem de mim, mas vão esperar todo mundo morrer para que o valor seja dado ou falado. Vamos reverenciar as pessoas em vida", pediu. Barrichello correu na Fórmula 1 entre 1993 e 2011, e venceu 11 corridas das 326 que disputou, subindo ao pódio 68 vezes. Fora da categoria, disputou uma temporada da Fórmula Indy e foi campeão da Stock Car brasileira em 2014.

Ele foi um dos melhores pilotos de F-1 de sua época e um grande acertador de carros, contratado em alguns casos para fazer essa função nas escuderias. A competitividade da categoria não permite que um corredor fique tanto tempo nas pistas se ele não tiver méritos. Atualmente, o Brasil não tem pilotos na F-1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.